Ótimo drama, Straight Outta Compton conta a história do N.W.A., o grupo mais famoso da história do gangsta rap

Linha Fina Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adipisicing elit. Dolorum ipsa voluptatum enim voluptatem dignissimos.

Publicado em 29 de outubro de 2015 às 00:05

- Atualizado há 10 meses

Violência, racismo, tráfico e música compõem o Straight Outta Comton: A História do N.W.A (Foto: Reprodução) Produção modesta de US$ 28 milhões que arrecadou US$ 161 milhões nos EUA (e mais US$ 38 milhões no mundo até agora) e se transformou no sucesso inesperado do Verão americano este ano, Straight Outta Compton: A História do N.W.A. levou o diretor F. Gary Gray, 46 anos, a desejar numa entrevista em Hollywood: “Quem me dera que este fosse apenas um filme de época!”.

É que o filme, com suas 2 horas e 27 minutos, não combina com o escapismo do Verão. Sem estrelas no elenco, o drama cinebiográfico espelha não só um grupo fundamental do hip hop e do gangsta rap, mas também um dos temas mais quentes dos EUA de hoje: as relações raciais.

Conhecido por vídeos do Cypress Hill, OutKast, Queen Latifah e Jay Z, Gary Gray  sabe o que diz - é negro também e filmou uma parcela da cultura urbana que conhece bem.

A trajetória do grupo nascido no bairro central decadente de Los Angeles serve como uma mostra do que eram as relações de poder entre polícia e jovens negros na virada dos anos 1980/1990, com falta de perspectiva social, tráfico de drogas e gangues de rua.

Assim, têm-se uma noção melhor de por que negros como Ice Cube (vivido por O’Shea Jackson Jr., seu filho), Dr. Dre (Corey Hawkins), Easy-E (o ótimo Jason Mitchell), MC Ren (Aldis Hodge) e DJ Yella (Neil Brown) criaram uma música tão agressiva.

Um tipo de som que, ao lado de outras vertentes do gênero, colocaria o hip hop no topo do showbiz americano no século 21 e influenciaria a cultura pop mundial numa escala alcançada anteriormente apenas pelo rock. 

Financiado pelo dinheiro que o vocalista Easy-E conseguiu traficando, o N.W.A. (Niggaz Wit Attitudes - ‘Negros Com Atitude’) escandalizou a sociedade dos EUA com suas rimas narrando a situação dos jovens negros nos bairros mais pobres das grandes cidades e também, por vezes, fazendo apologia à violência. Uma revolução sonora que bateu de frente com a polícia (a sequência do show em Detroit é sensacional), claro, e chamou a atenção até do FBI.

Com Dr. Dre (empresário bilionário e produtor responsável por lançar Snoop Dogg e Eminem), Ice Cube (ator e produtor) e Tomica Woods-Wright (viúva de Easy-E, que morreu de Aids em 1995) na produção executiva, Straight Outta Compton foca bem na ascensão dos rappers, sua intervenção social e brigas internas, com o sucesso servido em cenas de orgias sexuais e inebriação.

Com tais biografados na produção executiva, o filme atenua ou deixa de lado as faces mais polêmicas das letras do N.W.A., como racismo, homofobia e misoginia, incluindo a lista de agressões de Dr. Dre a mulheres.

Nada disso, entretanto, tira a força de Straight Outta Compton, que ainda mostra rapidamente dois personagens importantes na etapa posterior do gangsta rap: Snoop Dogg e o lendário Tupac Shakur, assassinado em 1996.   

Cotação: 

Horários da semana de estreia (de 29/10 a 04/11):  UCI Orient Shopping da Bahia 11 (dub)  19h10   UCI Orient Shopping da Bahia 11   22h10  Cinépolis Bela Vista 5 (dub)  17h10  Cinépolis Bela Vista 5  20h30