Mulheres ganham 17,3% a menos que os homens na Bahia, aponta relatório nacional

Balanço inédito foi divulgado nesta segunda-feira (25)

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 25 de março de 2024 às 19:23

Mulheres ganham 17,3% a menos que os homens na Bahia
Mulheres ganham 17,3% a menos que os homens na Bahia Crédito: Banco de Imagens/Freepik

As mulheres ganham 17,3% a menos do que os homens no estado da Bahia. É o que aponta o Relatório de Transparência Salarial, divulgado nesta segunda-feira (25), pelos ministérios das Mulheres e do Trabalho e Emprego. No total, 2.031 empresas baianas responderam ao questionário. Juntas, elas somam 743,6 mil funcionários.

A exigência do envio de dados atende à Lei nº 14.611/2023, que dispõe sobre a Igualdade Salarial e Critérios Remuneratórios entre Mulheres e Homens.

A diferença de remuneração entre homens e mulheres varia de acordo com o grande grupo ocupacional. No estado da Bahia, em cargos de dirigentes e gerentes, por exemplo, chega a 25,2%.

No recorte por raça, o relatório aponta que o número de mulheres negras é maior que o de mulheres não negras nas empresas do levantamento, com registro de 195,3 mil e 82,4 mil, respectivamente. No entanto, a remuneração média da mulher negra é de R$ 2.890,51, enquanto a da não negra é de R$ 3.300,43. No caso dos homens, os negros, também maioria nas empresas, recebem em média R$ 3.425,47 e os não negros, R$ 4.131,58.

O relatório também contém informações que indicam se as empresas têm políticas efetivas de incentivo à contratação de mulheres, como flexibilização do regime de trabalho para apoio à parentalidade, entre outros critérios vistos como de incentivo à entrada, permanência e ascensão profissional das mulheres.

No Brasil, as mulheres ganham 19,4% a menos do que os homens, de acordo com o Relatório de Transparência Salarial. No total, 49.587 empresas responderam ao questionário – quase 100% do universo de companhias com 100 ou mais funcionários no Brasil. Destas, 73% têm 10 anos ou mais de existência. Juntas, elas somam quase 17,7 milhões de empregados.