'Não basta não ser estuprador, isso é o básico', diz Jessica Senra

Apresentadora refletiu sobre Dia da Mulher e papel do homem

  • Foto do(a) author(a) Alô Alô Bahia
  • Alô Alô Bahia

Publicado em 8 de março de 2024 às 15:13

Jessica Senra Crédito: Reprodução

A jornalista e apresentadora Jessica Senra fez um duro e profundo comentário sobre o Dia Internacional da Mulher e a importância da data para reflexão sobre os direitos femininos.

Após uma matéria especial no jornal Bahia Meio Dia, da TV Bahia, nesta sexta-feira (8), ela falou que é necessário celebrar aquilo que já foi conquistado, mas que elas não devem parar por aí. "Esse é um dia para nós mulheres nos orgulharmos sim de tantos passos que já demos, de nos lembrarmos do quanto somos fortes e capazes, já que a gente conseguiu tantos avanços mesmo com essa grande força contrária. E é dia também para a gente ter consciência de tudo que ainda não conquistamos para ter esse básico, esse mínimo e justo que é a igualdade ou a equidade na sociedade", disse a comunicadora.

Jessica ainda cobrou uma reflexão dos homens e cobrou atitudes que enfrentem o assédio e a importunação sexual.

"Esse é um dia principalmente para os homens, para eles, vocês homens que me acompanham, para vocês refletirem sobre o que vocês têm feito e o quanto vocês têm se calado diante de tudo que a gente fala, vive e reivindica", declarou.

"Você homem, para além de um card fofinho ou um buquê de flores, o que você está fazendo de fato para que as mulheres sejam respeitadas?", questiona Senra.

No ano de 2023, ao menos oito mulheres foram vítimas de violência doméstica a cada 24 horas. Os dados contabilizam oito dos nove estados monitorados pela Rede de Observatórios da Segurança. Além da Bahia, o órgão monitora Ceará, Maranhão, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro e São Paulo.

"Então, no dia de hoje eu vou dar uma sugestão, homem, repense o que você pode fazer. Em vez de mandar uma mensagem fofinha para as mulheres, não me mande parabéns, não, mande um posicionamento para o seu coleguinha, para aquele amigo que manda para você ou nos grupos aí de Zap vídeos pornográficos, diga a ele que esse tratamento não é adequado, que esses vídeos contribuem para objetificação e desprezo pela mulher. Mande uma mensagem para aquele amigo que você viu distratar a mulher na frente das pessoas, para aquele conhecido que você sabe que agrediu a namorada. Mande uma mensagem para seus grupos para discutir porque que toda vez que uma mulher denuncia uma agressão sexual, a primeira coisa que fazem é duvidar do que ela está falando", cobrou a apresentadora, que finaliza:

"É isso que a gente quer, hoje e todos os dias. Não basta dizer, 'olha, eu não sou machista, eu não sou agressor'. Não basta não ser estuprador, isso é o mínimo, é o básico. Você só é de fato um homem que se preocupa com mulheres quando você atua desde o seu lugar, quando você se movimenta de alguma maneira para que nós, mulheres, sejamos respeitadas".