PRÉDIO TOMBADO

Sede do Arquivo Público vai a leilão mais uma vez; saiba novo valor

Leilão será realizado na próxima segunda-feira (8)

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 1 de abril de 2024 às 09:18

Sede do Arquivo Público
Sede do Arquivo Público Crédito: Marina Silva/Arquivo CORREIO

A sede do Arquivo Público do Estado da Bahia vai a leilão mais uma vez na próxima semana. Localizado na Baixa de Quintas, o Quinta do Tanque ou Quinta dos Padres é tombado como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1949.

A área do prédio histórico tem lance inicial de R$7.389.852,72. Este é o segundo leilão deste ano. No dia 25 de março, o prédio foi a leilão pelo valor de R$12.448.851,34.

O próximo leilão será na próxima segunda-feira (8), no site Cravo Leilões. O pagamento pode ser realizado à vista ou parcelado. 

O prédio foi sede do Arquivo Público desde de 1980. São 7.360,14 metros lineares de documentos procedentes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, datados entre os séculos XVI e XXI. O acervo é composto por materiais em formato de texto, iconografia e cartografia, além de contar com uma biblioteca exclusiva sobre a história da Bahia.

História

O Quinta do Tanque é um dos ícones da época da colônia. Ocupado por padres jesuítas desde o século XVI, a propriedade foi utilizada como casa de repouso para os sacerdotes até meados do século XVIII, quando a Igreja Católica possuía forte influência na cidade do Salvador, e como leprosário, no mesmo século, após uma reforma. Em 1970, o prédio foi restaurado e, dez anos depois, passou a abrigar o segundo maior e mais importante acervo documental do país.

"É uma verdadeira relíquia da Bahia, do ponto de vista da arquitetura, que somado a isso, é a guardiã de milhões de documentos escritos, iconográficos, religiosos, oficiais, públicos e privados, que engrandecem o nosso estado", disse o historiador Rafael Dantas, pesquisador na área de cultura material e iconografia com ênfase na divulgação da Cidade do Salvador e do estado da Bahia no mundo, durante os séculos XIX e primeiras décadas do século XX.

A incerteza sobre o destino do acervo é o que também preocupa Dantas. "O Estado tem que dar uma resposta definitiva sobre a situação do Arquivo Público da Bahia, que é um patrimônio de todos nós e deve continuar sob a gestão estadual. O que vai aconteceu com o prédio e com o acervo após o leilão?", questionou.