COMOVENTE

Apresentador de TV choca ao relatar ao vivo abusos sexuais do pai e do tio; vídeo

Juan Pedro Aleart, famoso jornalista argentino, surpreendeu ao relatar os abusos sexuais que ele,  irmão e a irmã sofreram quando eram crianças

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 20 de abril de 2024 às 17:29

Juan Pedro Aleart relatou os abusos sexuais que sofreu quando criança na TV aberta argentina Crédito: Reprodução

O jornalista argentino Juan Pedro Aleart surpreendeu a audiência do programa 'De 12 a 14', da emissora Eltres TV, ao relatar os abusos sexuais que ele, o irmão e a irmã sofreram do pai e de um tio quando eram crianças. O relato emocionante comoveu a Argentina e viralizou nas redes sociais nesta semana.

Durante 26 minutos, Juan Pedro relata os abusos que a irmã sofreu do pai, que era portador do vírus HIV, e a luta para denunciar os abusos. Há 2 anos, Juan denunciou o tio ao tribunal. Encorajado pelos irmãos, a irmã também decidiu denunciar o pai por abuso sexual qualificado. Três semanas atrás, ao ser notificado da investigação, o pai se suicidou.

"Vocês me conhecem, trabalho no jornalimo há 18 anos. Já contei muitas histórias e esta é a primeira vez que vou contar a minha, a minha própria história de vida", inicia o jornalista.

"Tenho um desejo profundo de, através do que aconteceu comigo, ajudar muitas pessoas que estão passando por momentos difíceis e que estão passando ou passaram por uma situação semelhante à minha."

"Digo a vocês que há muitos anos, há cerca de uma década, tomei a decisão de me afastar do meu pai e, com o tempo, do restante da minha família paterna. Havia coisas que não me agradavam, que me faziam mal, que me machucavam."

"Desde então, nunca desisti de buscar a verdade. A verdade do que realmente estava acontecendo na minha casa, na minha família e dentro de mim. Tentei jogar luz na escuridão, iluminar a escuridão e fazer a verdade vir à tona. E foi isso que aconteceu. A verdade foi iluminada e a verdade sempre vence."

"No ano passado denunciei meu pai por violência doméstica. Meu pai tem sido violento em todas as suas formas: física, psicológica e emocional. Ele aterrorizou todos os membros da minha família, inclusive eu."

"Apresentei a queixa à minha irmã mais nova — sou o mais velho de três filhos."

"O que procurávamos era que minha irmã ficasse um pouco mais calma, porque toda vez que ela cruzava o caminho do meu pai em qualquer circunstância ela tremia de medo. Eu sou testemunha disso. Pálida. Terror. Ataques de pânico", disse o jornalista no ar.

"Meu pai, além de violento, abusou sexualmente da minha irmã desde os 3 anos de idade, sendo HIV positivo."

"Isso causou sérios, gravíssimos problemas de saúde de todos os tipos à minha irmã. Felizmente ele não a infectou, mas sou testemunha de seus ataques de pânico, ataques profundos de ansiedade, insônia, queda de cabelo e perda de peso corporal."

"E eu sei que em diversas ocasiões ela pensou em tirar a própria vida, em decorrência de tudo que meu pai fez com ela", continuou.

"A convenci a apresentar queixa-crime e cuidei dos honorários de seu advogado para que ele pudesse finalmente apresentar a queixa."

"Ele fez a denúncia, apresentou laudo psicológico e eu fui testemunha. Porque meu pai abusou sexualmente da minha irmã na minha frente quando eu era criança. Ele abusou sexualmente da minha irmã e fez tudo parecer uma brincadeira".

"Eles fizeram eu e meu irmão acreditarmos que minha irmã era exagerada, que ela era louca."

"Minha mãe foi vítima de tudo isso e cúmplice."

"Meu pai foi notificado da queixa criminal há três semanas."

"Não querendo enfrentar tudo o que fez, a atrocidade, a barbárie que cometeu, ele decidiu tirar a sua vida. Decidiu suicidar-se".

"Descobrir isso foi uma notícia muito chocante, profundamente triste. Mas meu pai tomou essa decisão desde o momento em que decidiu abusar da própria filha, desde que ela tinha 3 anos, com HIV."

"Nas últimas mensagens nas redes sociais, no Facebook, no Twitter, ele fez o que sempre fez: tratou minha irmã como louca".

"E é com minha irmã que eu quero falar agora. Quero te dizer, Sofi, que o filme de terror acabou. Que o monstro decidiu ir embora para sempre e nunca mais te machucar."

"O que falta agora é você construir a sua vida. A vida pela qual você lutou tanto e que tanto merece, com liberdade. Você é livre. Vamos voar, Sofi, vamos voar."

Juan Pedro, então, avisa que a história ainda não foi contada inteiramente, e inicia a relatar os abusos que ele e o irmão sofreram pelo pai.

"Enquanto tudo isso acontecia na minha casa, uma casa com um pai violento e abusivo, uma mãe que era vítima e cúmplice ao mesmo tempo, uma casa onde se naturalizavam o abuso e a violência, um tio em quem eu confiava, que cumpriu em muitas situações o papel de pai comigo, aquele tio aproveitou-se do contexto de extrema vulnerabilidade em que eu me encontrava e abusou sexualmente de mim e do meu irmão a partir dos 6 anos."

"Quando eu tinha 12, 13 anos, com as poucas ferramentas que tinha, percebi na minha casa que isso estava acontecendo. Denunciei tudo mas, como você pode imaginar, numa casa como essa meus pais não fizeram nada".

"Continuei sendo abusado continuamente. E meu irmão também."

"Eu o denunciei no final de 2022. Para mim, fazer a denúncia foi muito difícil. Me animei a fazer, mesmo sendo uma figura pública, mas consegui."

"Há muitos meses que estou, conscientemente, numa fase profunda de depressão. Vir aqui tem sido muito difícil, trabalhar com o noticiário com tudo isso dentro de mim".

"É por isso que eu quis começar o programa contando a vocês, porque eu não aguentava mais."

"Eu vinha aqui para trabalhar no carro chorando. Fazia 'Dos 12 aos 14' por meses com um nó na garganta. Me trancava no camarim para chorar e voltava para casa sem querer ver ninguém ou conversar com ninguém. Eu estava em uma crise de angústia profunda. Perdi o sentido da vida. Não tinha vontade de rir."

"Nessas condições eu poderia ter perdido tudo: meu emprego — que tanto gosto —, (ou) o amor da minha vida. Isso afetou seriamente minha vida íntima também. Mas hoje estou mais forte do que nunca."

"Fiz muita terapia e faço muita terapia. Faço segunda, terça, quinta, sexta, duas horas seguidas, mais finais de semana quando necessário."

"Isso e o amor e a amizade de um pequeno grupo de pessoas foi o que me fez continuar."

Por fim, Aleart dirigiu-se aos homens vítimas de abuso sexual.

"Eu sei como é: é degradante, é constrangedor. Sei que muitos não contaram às suas esposas, aos seus filhos, aos seus amigos, aos seus psicólogos".

"Quero lhe dizer que a única maneira de curar é usando palavras, falar sobre isso, denunciar".

"O silêncio é o melhor amigo dos abusadores. Vamos aprender com as mulheres que são corajosas e que denunciam."

"Conversem, busquem ajuda, encorajem uns aos outros. É o único jeito."

"Não escolhi ser abusado, não escolhi ter um pai violento e abusivo. Não escolhi ter um tio abusivo, não escolhi ter uma família sem coração. Mas em algum momento a vida te dá a oportunidade de enfrentar tudo isso. Foi assim que decidi enfrentar tudo."

Desde o relato, o jornalista tem recebido inúmeros comentários de seguidores que também sofreram abusos e nunca tiveram coragem de contar.