Ex-premiê da Holanda e esposa morrem por eutanásia e de mãos dadas

A eutanásia é legal no país desde 2002, seguindo algumas orientações

Publicado em 12 de fevereiro de 2024 às 14:44

O ex-premiê da Holanda, Dries van Agt
O ex-premiê da Holanda, Dries van Agt Crédito: Divulgação

O ex-primeiro-ministro holandês Dries van Agt e sua esposa, Eugenie, fizeram a decisão de morrer por eutanásia dupla na Holanda, o que é legal no país.

De mãos dadas, o casal morreu em um hospital, informou neste fim de semana a The Rights Forum, uma fundação pró-Palestina fundada por van Agt. Os dois tinham 93 anos e morreram assistidos por médicos em 5 de fevereiro em um hospital na cidade de Nijmegen, onde moravam. Eles estavam casados havia 70 anos.

Van Agt esteve à frente do governo holandês de 1977 a 1982. Em 2019, ele sofreu uma hemorragia cerebral e desde então vivia com algumas limitações e sequelas. A fundação diz que ele optou por morrer e a esposa também fez a mesma escolha, preferindo não viver sem o marido. 

A Holanda permite que casais escolham o procedimento de morte assistida. A eutanásia é legal no país desde 2002, desde que a pessoa esteja em sofrimento, sem perspectiva de melhora, confirmado por dois médicos, e deseje morrer. Desde esse ano, o governo já registrou 116 eutanásias duplas.

Na Europa, além da Holanda, Bélgica, Luxemburgo, Espanha e Portugal permitem a eutanásia.