CONFLITO

Israel dá ao Hamas 1 semana para fechar um acordo, ou a ofensiva em Rafah começará, diz Egito

Autoridades egípcias convidaram funcionários do Hamas a retornar ao Cairo para continuar as negociações

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 3 de maio de 2024 às 14:18

Atos a favor da Palestina acontecem pelo mundo
Atos a favor da Palestina acontecem pelo mundo Crédito: Shutterstock

Israel deu ao Hamas uma semana para concordar com um acordo de cessar-fogo ou iniciará uma operação militar em Rafah, disseram autoridades egípcias informadas sobre o assunto nesta sexta-feira, 3, enquanto o grupo militante espera por melhores condições que garantam sua sobrevivência. O Egito trabalhou com Israel em uma proposta revisada de cessar-fogo que apresentou ao Hamas no fim de semana passado, segundo autoridades egípcias.

Esperava-se que a liderança política do Hamas consultasse o seu braço militar em Gaza e voltasse à proposta. Mas Yahya Sinwar, o líder militar do grupo em Gaza, que se acredita estar escondido nos túneis do enclave e que toma as decisões finais, não respondeu.

Autoridades egípcias disseram que convidaram altos funcionários do Hamas a retornar ao Cairo nos próximos dias para continuar as negociações.

O Hamas disse em comunicado na quinta-feira que sua equipe de negociação irá ao Egito em breve para discutir os termos. Autoridades egípcias dizem que o Hamas está buscando uma trégua de longo prazo e garantias dos EUA de que um cessar-fogo será respeitado por Israel.

Autoridades do Hamas expressaram preocupação com o fato de a última proposta ainda ser muito vaga e dar espaço a Israel para reiniciar os combates.

A última proposta apela a um período inicial de calma até 40 dias, durante os quais o Hamas libertaria até 33 reféns, seguindo-se a possível negociação de um cessar-fogo de longo prazo.

As fases seguintes incluiriam um cessar-fogo de pelo menos seis semanas, durante o qual o Hamas e Israel tentariam chegar a acordo sobre a libertação de mais reféns e uma pausa prolongada nos combates que poderia durar até um ano.

O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, afirma que os militares enviarão forças terrestres para Rafah - uma cidade no extremo sul da Faixa de Gaza onde mais de um milhão de civis palestinos estão abrigados - independentemente de um acordo ser alcançado.

Os militares israelenses disseram que Rafah é o último reduto do Hamas. Mas, a portas fechadas, as autoridades israelenses estão considerando adiar a invasão de Rafah indefinidamente se for alcançado um acordo a longo prazo, dizem as autoridades egípcias

Autoridades do Hamas expressaram preocupação de que Netanyahu estivesse provocando o grupo a recusar a proposta a fim de invadir Rafah e culpar o Hamas pelo fracasso das negociações.

Espera-se que o grupo responda à proposta com uma contraproposta, em vez de rejeitá-la imediatamente, segundo as autoridades egípcias.