CENTENAS DE PICADAS

Mulher processa polícia após ser algemada com o rosto em cima de formigueiro

Incidente ocorreu no Texas após Taylor Rogers cometer infração de trânsito

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 13 de maio de 2024 às 18:51

Mulher processa a polícia do Texas após ser algemada com o rosto em um formigueiro
Mulher processa a polícia do Texas após ser algemada com o rosto em um formigueiro Crédito: Reprodução/Taylor Rogers

Uma moradora do Texas (EUA) está processando a polícia do estado após ser algemada com o rosto em cima de um formigueiro e acabar com centenas de picadas no rosto, no pescoço, nas costas, nos seios e nos ombros. As informações foram divulgadas pelo jornal Extra.

Taylor Rogers afirma que policiais do Departamento de Polícia de Santa Fé a jogaram na grama e a algemaram com o rosto enterrado numa colônia de formigas-de-fogo por causa de uma infração de trânsito em 2021, relata a emissora KHOU 11, de Houston.

"Taylor Rogers foi parada pela polícia de Santa Fé sem motivo, jogada no chão sobre de formigas-de-fogo e mantida lá enquanto gritava", disse o advogado de direitos civis Randall Kallinen em entrevista coletiva no último sábado (11/5), representando a americana.

Imagens da câmera corporal da polícia mostram um policial segurando Taylor na grama depois que ela supostamente fugiu da polícia após cometer uma infração de trânsito no estacionamento de uma escola.

"Isso está complicando a minha circulação e há formigas no meu rosto!", disse a americana antes de começar a gritar de dor, enquanto era picada inúmeras vezes.

"As formigas estão subindo na minha cara, por favor!, gritou. "Como vocês podem fazer isso? As formigas estão na minha cara! Por favor, me solte!", acrescentou.

Rogers alega que ela não conseguiu afastar os insetos porque estava algemada e afirma que a polícia não ajudou a remover as formigas.

Um dos dois policiais citados no processo alega que não há sinal claro da presença de formigas de acordo com as imagens feitas por câmeras nos uniformes dos agentes. Ruben Espinoza, chefe da polícia de Santa Fé, disse que Taylor foi tratada com "respeito e dignidade". Ele justificou a ação dos policiais dizendo que a mulher abordada estava "irada".