Passageiro que quase foi sugado para fora do avião abre processo contra Boeing e Alaska Air

O processo foi apresentado no Tribunal Superior do Condado de Washington na quinta-feira

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 15 de março de 2024 às 11:29

Passageiros que estavam a bordo do avião Boeing 737 da Alaska Airlines, cujo plugue de porta se soltou em pleno voo em janeiro, estão processando a companhia aérea, a fabricante da aeronave, uma fornecedora de peças da fabricante Boeing e outras dez pessoas que não tiveram o nome relevado. Procurada, a Boeing respondeu em e-mail na quinta-feira, 14, para a Associated Press: "não temos nada a acrescentar". A Alaska Airlines e a Spirit AeroSystems, que é fornecedora da Boeing, não responderam ao pedidos de comentários.

O processo foi apresentado no Tribunal Superior do Condado de Washington na quinta-feira. Entre os sete passageiros que estão movendo a ação, está o cliente sentado na poltrona próxima ao plugue de porta, que afirma ter sido salvo pelo cinto de segurança.

Cuong Tran, de Upland, Califórnia, estava sentado na fileira atrás de onde parte da aeronave caiu e deixou um buraco do tamanho de uma porta no voo 1282 da Alaska Airlines em 5 janeiro, de acordo com um comunicado de imprensa do advogado Timothy Loranger. O advogado, que entrou com o processo, disse que o ar saiu pelo buraco, puxando Tran e outros que estavam por perto.

A sucção rasgou os sapatos e as meias de Tran e ele sentiu seu corpo levantar do seu assento, disse o comunicado de imprensa, acrescentando que o pé do passageiro ficou ferido quando foi empurrado para dentro da estrutura do assento à sua frente.

"Nossos clientes - e provavelmente todos os passageiros daquele voo - sofreram traumas desnecessários devido à falha da Boeing, Spirit AeroSystems e Alaska Airlines em garantir que a aeronave estivesse em condições seguras e navegáveis", disse Loranger.

O processo busca danos punitivos, compensatórios e gerais por suposta negligência, responsabilidade de construção/fabricação de produtos e falha no dever de proteger os passageiros de danos

Histórico do caso

Os primeiros seis minutos do voo de Portland, no Oregon, para o Aeroporto Internacional de Ontário, no sul da Califórnia, foram rotineiros, com o Boeing 737 Max 9 na metade de sua altitude de cruzeiro e viajando a mais de 400 mph (640 km / h). Em seguida, o pedaço de fuselagem cobrindo uma saída de emergência inoperante atrás da asa esquerda explodiu. Os pilotos fizeram um pouso de emergência retornando a Portland. Ninguém ficou gravemente ferido.

Outra ação judicial contra a Boeing e a Alaska Airlines foi apresentada no mês passado em nome de outros 22 passageiros no voo, também acusando as empresas de negligência.

Em um relatório preliminar no mês passado, o Conselho Nacional de Segurança nos Transportes disse que quatro parafusos que ajudam a manter o plugue da porta no lugar estavam faltando depois que o painel foi removido para que os trabalhadores pudessem reparar rebites danificados nas proximidades em setembro passado. Os reparos de rebites foram feitos por empreiteiros que trabalhavam para a Spirit AeroSystems, fornecedora da Boeing.

A Boeing, sob crescente escrutínio desde o incidente, reconheceu em uma carta ao Congresso que não pôde encontrar registros de trabalho feitos no painel de portas do avião da Alaska Airlines

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos também lançou uma investigação criminal. A investigação ajudaria o departamento a avaliar se a Boeing cumpriu um acordo que concluiu uma investigação federal sobre a segurança de sua aeronave 737 Max após dois acidentes mortais em 2018 e 2019.