80 anos da ACBEU

artigo
01.06.2021, 14:40:55
Atualizado: 01.06.2021, 18:20:51

80 anos da ACBEU


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

(Foto: Divulgação)

Fundada em 1941, a Associação Cultural Brasil Estados Unidos - ACBEU, nasceu em tenso momento da Segunda Guerra Mundial (1939-45) que, avançando pela Europa, ameaçava todo o mundo. O ataque dos japoneses à base naval de Pearl Harbor, no Havaí, naquele ano, colocou os EUA na guerra, alterando dramaticamente a vida do país. Com a nação impactada, a revista Time, uma das mais conhecidas revistas de notícias semanais do mundo, fundada em 1923, deu ao presidente americano Franklin Roosevelt o título de ‘Homem do Ano’, homenageando-o pela enérgica defesa do seu povo e dos países do chamado novo mundo, dentre eles o Brasil.

No livro Memória da Acbeu (1991), comemorativo ao cinquentenário, o antropólogo Thales de Azevedo descreve fatos históricos da criação da instituição, a tensão internacional provocada pela guerra e as articulações de fundadores como Archimedes Pereira Guimarães, Anísio Teixeira, Oscar Pontes, Francisco Sá, Leonardo Ross Klein, Eugênio Teixeira Leal, Colombo Spínola e Jorge Calmon, todos rotarianos, além do Cônsul dos Estados Unidos, Reginald Castelman, que comemorou o fortalecimento de laços e entendimentos, com a fundação da associação cultural, entre os países amigos.

Instituição sem fins lucrativos, declarada de utilidade pública federal, estadual e municipal pelos relevantes serviços prestados, formou mais de 200 mil alunos nessas oito décadas de atuação contínua. “A Acbeu nasceu para servir a sua comunidade como uma entidade inovadora, articuladora e geradora de conhecimentos. Estamos agora traçando rumos para os próximos 80 anos”, afirma o presidente Durval Olivieri, membro do conselho deliberativo onde diretores e conselheiros exercem suas funções voluntariamente, sem remuneração.

Sempre inovando, a Acbeu adotou os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), da ONU, e os princípios da Governança Sócio Econômica e Ambiental (ESG) que hoje regem a iniciativa pública e privada. Além de escola de inglês, como é mais conhecida, responsável pela formação de diversas gerações, enfoca a dimensão de associação cultural no sentido amplo, envolvendo o desenvolvimento sócio econômico dos ambientes onde atua.

Aliada aos princípios da Organização para Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), estimula instrumentos inovadores da educação para a sustentabilidade, incluindo métodos avançados de ensino como o aprendizado colaborativo e a sala de aula invertida, incentivando alunos na auto-aprendizagem. No ensino cruzado, alunos aprendem ensinando uns aos outros e aos professores. Na gamificação a criatividade é aguçada, integrando todos na construção de personagens que tomam vida nos jogos digitais educativos.

A assembleia dos ex-alunos (Alumni) do Acbeu, uma animada plateia formada por profissionais de diversas áreas, criou o ‘Alumni Lab’, uma central nervosa de ideias para startups que impulsiona os planos presentes e futuros da entidade. Através do Hub Acbeu, um ambiente virtual de alta tecnologia, que usa a tela do computador como porta de entrada para atividades virtuais, a Casa tem sido procurada por empresas e até por prefeitos interessados em expandir internamente nas suas redes públicas e privadas.

Estimulados pela OCDE em função do destacado status do país na área, o embrião do Acbeu Agro-Ambiental, em concepção no Alumni Lab, conversa com parceiros nacionais, como a Embrapa, e internacionais como a Rice Universidade agrícola, do Texas, e a Singularty University, da Califórnia; a Universidade de Wageningen e o Rabobank, nos Países Baixos; o Volcani Center, em Israel; e o PRI (Principles for Responsable Investiments), em Genebra - centros de referência da inovação agrícola e sustentabilidade no mundo.

Inspirados na história do pedreiro que ao colocar tijolos na parede cantava feliz informando que estava construindo uma catedral, o Alumni Lab começa a colocar os tijolos nas paredes da U-BEU - Universidade Acbeu, pensando em cursos tecnológicos de nível superior, aprovados pelo Ministério da Educação, a serem ministrados em parceria com renomadas universidades de além mar que batem na porta interessadas em aproveitar a respeitabilidade de oito décadas de serviços prestados a comunidade. “O Brasil é estratégico para a agenda do presidente Biden”, disse o embaixador americano no Brasil, Todd Chapmann

Durante a reunião da Assembleia Geral da Acbeu, órgão máximo de deliberação, realizada através de plataforma virtual, os ex-alunos amantes da instituição, formaram coro animado saudando o passado e celebrando os novos caminhos da entidade. O aluno mais antigo e mais animado, Joaci Goes, formado na Acbeu em 1958, entusiasmado com o que vem pela frente, falou dos relevantes serviços prestados à sociedade.

O espirito visionário e inovador pulsa entre gestores e alumni da instituição. Seguindo a nova declaração da Unesco sobre a Década dos Oceanos (2021-2030) a Acbeu, nascida na Cidade de São Salvador da Baía de Todos os Santos - Capital da Amazônia Azul - lançou o projeto 'Acbeu 2030' com três questionamentos e desafios para a meta decenal: Como estamos agora? Como queremos estar em 2030? O que nos levará, ano a ano, daqui até lá?

* Eduardo Athayde é diretor da Rede WWI no Brasil e membro do Conselho Deliberativo da Acbeu

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas