85 vespas assassinas são mortas durante operação nos EUA: 'Esse é só o começo'

em alta
27.10.2020, 13:07:55
Atualizado: 27.10.2020, 13:22:01

85 vespas assassinas são mortas durante operação nos EUA: 'Esse é só o começo'

Primeiro ninho foi destruído e outros dois já estão na mira

Foto: Divulgação / WSDA

O primeiro ninho das chamadas "vespas assassinas" foi destruído nos Estados Unidos por funcionários do Departamento de Agricultura do Estado de Washington (WSDA, sigla em inglês). Durante a operação, que resultou na morte de 85 insetos, além de outras 13 capturadas com vida, nenhum cientista foi ferido.

A operação foi realizada no condado de Whatcom, próximo a fronteira com o Canadá.

As vespas assassinas foram detectadas nos Estados Unidos pela primeira vez no início deste ano. Originárias da Ásia, elas são conhecidas por uma picada que pode matar humanos, além de representarem uma grande ameaça para as abelhas.

"Ninguém foi picado e ninguém foi atacado que eu saiba", disse à CBS, Sven-Erik Spichiger, entomologista que dirigiu a erradicação do ninho no último sábado (24).

Foto: Divulgação / WSDA

O ninho um plástico as vespas que permaneceram lá acabaram mortas asfixiadas, disse Spichiger. A vespa-rainha não foi coletada, embora deva estar dentro do ninho.

"Este é apenas o início de nosso trabalho para evitar que a vespa gigante asiática se estabeleça nonoroeste do Pacífico", Disse ele, acrescentando que os cientistas continuarão procurando por um ou dois ninhos mais suspeitos.

Veja mais:

'Caranguejeira com asas' assusta internautas e viraliza

Vídeo de sucuri gigante tomando sol se torna viral internacional; assista

Tubarão é visto matando baleia pela primeira vez na história; veja vídeo

A operação de sábado começou por volta das 5h30 com a equipe vestindo roupas de proteção grossas o suficiente para evitar que ferrões penetrassem e armaram andaimes em volta da árvore para que pudessem alcançar a abertura do ninho, que ficava a cerca de 10 metros de altura. 

A equipe encheu o ninho com espuma e vedaram quase todas as saídas do ninho. Apenas uma ficou aberta, que foi onde eles colocaram uma mangueira para puxar todas as vespas que ali estavam. 

Além disso os cientistas começaram a dar pauladas na árvore para forçar as vespas a sair. 

Quando as vespas pararam de sair do ninho, a equipe injetou dióxido de carbono na árvore para matar ou anestesiar asvrestantes. Eles então selaram a árvore com espuma spray, embrulharam-na novamente com celofane e, finalmente, colocaram armadilhas nas proximidades para capturar quaisquer sobreviventes ou vespas que possam ter estado fora durante a operação e voltado para a árvore. O trabalho foi concluído às 9h

"Parabenizamos o WDSA por erradicar este ninho", disse Osama El-Lissy, vice-administrador do programa de Quarentena e Proteção de Plantas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. “Graças à sua experiência e inovação, este ninho não é mais uma ameaça para as abelhas produtoras de mel da região."

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas