A guerra nossa de cada dia, contra o coronavírus

artigo
03.04.2020, 14:00:00

A guerra nossa de cada dia, contra o coronavírus


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Às vezes penso que fazemos parte de um filme de ficção científica. Ninguém nunca imaginou que um ser invisível a olho nu fosse causar um impacto tão gigantesco na Saúde da população mundial. Além do impacto econômico que assombra o trabalhador brasileiro.

Nos deparamos com discursos infelizes e incoerentes a nível de hierarquia. De onde deveria vir o exemplo vem a discordia, a ignorância e a negação. Quem desafiar o coronavírus e não respeitar as medidas de prevenção vai se dar muito mal - tomara que isso não ocorra. É o mesmo que desafiar um gigante. Na história bíblica de Davi e Golias, Davi venceu o gigante, mas na vida real feita de tempos modernos e de telemedicina não é bem assim. A ciência avança rapidamente contra o tempo para salvar muitas vidas, em busca da cura para a covid-19. Estádios têm se transformado em hospitais e a cloroquina, parece ter "virado ouro".

A população se depara, em casa, com o bombardeio de informações, as fake news também levam a óbito, sintomas psicólogicos da pandemia: tristeza, ansiedade, medo, pânico, estresse, etc. O cotidiano do brasileiro mudou e draticamente, quem sai de casa rapidamente nas ruas leva seu álcool gel e se depara com uma cidade deserta e solitária. Nem parece que estamos na terra do axé e do carnaval. É que nessa selva de pedra, estamos falando em sobrevivência, que se confunde muitas vezes com egoísmo. 

Vemos o aumento "não muito divulgado" dos casos de violência doméstica, triste realidade de alguns lares e que se potencializa com o longo convívio familiar. O agressor não sai de casa em tempos de coronavírus, mas ainda sim existe uma luz no fim do túnel, uma saída para a vítima que é pedir ajuda.
Nunca estivemos tão conectados, vemos uma chuva de lives nas redes sociais, algumas de stand up, de treino funcional, outras tipo bate-papo de comadres, muitas informativas e de utilidade pública. 

O fato é que conseguimos nos juntar pelo medo e pela insegurança, onde a solidão é algo que pesa. Muitos choram por perder um familiar para o coronavírus, outros por poder ver um familiar querido que faz parte do grupo de risco. Temos que lidar com o luto, com a falta eminente nos dias atuais, o ano terá uma lacuna.. E ainda esbarramos na ideia de que não somos imortais. Nos dias atuais, estamos mais conectados que nunca, mas isso não traz felicidade, a falta é latente e presente.

A covid-19 vem como um divisor de águas "traiçoeiras", haverá um antes e um depois para os brasileiros. A crise atual poderá nos fortalecer e nos trazer um grande aprendizado se quisermos, mesmo sabendo  que habitamos num mundo sem garantias e que não temos controle de tudo. 
Vemos muitas estratégias de enfrentamento sugeridas por profissionais da aaúde, e me incluo, indicando que um cronograma ou uma rotina deve ser mantida, pois não estamos de férias, correto? 
Não vamos dar ouvido a hipocrisia e a negação que vai na contramão das orientações das autoridades de saúde. 

No geral, só o isolamento salva e a verdade é uma só. Sabemos que um dia todos iremos morrer, mas ainda sim a ideia de morte é angustiante. Estamos numa guerra, é verdade, contra um inimigo invisível. E para preservar nossa Saúde Mental é preciso ter paciência, fé, criatividade, autodisciplina e ser cordial com nós mesmos. Além disso, devemos ter responsabilidade social e solidariedade.

Brasileiro é um povo afetuoso, otimista e resiliente, que gosta de beijar, abraçar e que tem sofrido pela falta de aproximação. Tudo passa, inclusive, a crise. Ficar em casa é o remédio mais poderoso que temos no momento, para combater o coronavírus.
 
Débora Assunção é psicanalista e especialista em Saúde Pública 

Opiniões e conceitos expressos nos artigos são de resposabilidade dos autores

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas