A história de Floripes, primeira travesti assumida de Salvador, morta de forma brutal

baianidades
29.11.2020, 06:30:00

A história de Floripes, primeira travesti assumida de Salvador, morta de forma brutal

Conhecida como 'A Alegria da Cidade', ela enfrentou a transfobia no braço e encantou as festas de largo com suas danças e bordões

A história de Floripes, primeira travesti assumida de Salvador, morta de forma brutal

Floripes, 'A Alegria da Cidade', na Festa da Conceição da Praia de 1979 (Foto: Reprodução)

Floripes tinha a inteligência adquirida na luta pela sobrevivência. Se a provocação, por um mínimo deslize, resvalasse para ofensa, não tinha conversa, era chuva de murro ali mesmo.  

Figura marcante no imaginário do centro de Salvador, por mais de uma década, foi vista desfilando na Rua Chile, Barroquinha e pela Baixa dos Sapateiros. Era também assídua nas festas de largo e não perdia um único Bonfim, Iemanjá ou Santa Bárbara. Usava galho de arruda atrás da orelha, saltando entre os fartos cabelos soltos ao vento. No pescoço, pendiam contas aos orixás.

“Já carregava símbolos do candomblé e, seguramente, a primeira travesti assumida da cidade. E, embora carregasse marcas estigmatizadas pela sociedade, nunca se calou ou aceitou a submissão. Floripes andava pelos espaços de visibilidade para dizer: ‘eu existo. E eu posso e mereço estar aqui’. Essa é sua importância”, diz Adson Brito, professor de História e psicólogo, que mantém um grupo no Facebook (“Salvador tem muitas histórias!”) sobre eventos e personalidades marcantes da nossa capital.

Beicinho
A chegada de Floripes precipitava sempre um acontecimento único, vencendo o tédio das tarefas rotineiras. As distintas damas soteropolitanas faziam beicinho, enquanto as mais radicais atravessam a rua ligeiro para demonstrar um prazer superior em não permitir a divisão da mesma calçada. 

Os meninotes criados em bairros de luxo ruborizavam e os “homens sérios de negócios” balbuciavam (sem atrever aumentar o tom) ofensas direcionadas à sua honra.  

Floripes dava de ombros para aquele festival de menosprezo e hostilidades, sendo acolhida e festejada na plebe. Em cada esquina era saudada por um coro de “Floripeeeees, viado” – algo, hoje, que soaria extremamente preconceituoso.

À época, porém, era uma espécie de saudação, uma cordialidade respondida com trejeitos calculados. Floripes colocava a mão na cintura, acentuava o requebrado e soltava a voz grave, fazendo reverberar seu bordão: “só na Bahiaaaaaa”. Os aplausos confirmavam o sucesso do número.

Em pouco tempo, passou a atender por um novo apelido, indicativo de sua figura solar e transbordante: “A Alegria da Cidade”.

Sua predileção por roupas coloridas reforçava esta personalidade luminosa, bem como a desenvoltura em danças acrobáticas e malabarismos de difícil execução. Durante as festas, sempre havia um momento para sua livre expressão do corpo, destacando-se na multidão pela ginga e elasticidade.

Quando um mais gaiato, no entanto, tomava emprestada alguma ousadia não concedida, o tempo fechava. Floripes arregaçava as mangas e partia para o confronto físico, escorraçando o folgado entre tabefes e pontapés.

 “Essa era a forma que Floripes tinha de se tornar respeitada. Nos anos 1970 e 1980, a homofobia era ainda muito pior do que é hoje. Sequer era crime e esse tipo de preconceito era legitimado na sociedade. Ela talvez não tivesse toda a articulação das palavras para explicar que merecia respeito. Sua forma de reagir era essa, na base da violência do oprimido. Mas isso mostra que Floripes não aceitava ser subjugada. Essa era sua resistência”, analisa Brito.

Adson Brito, professor de História que mantém página na internet sobre memórias da velha Bahia, na qual Floripes foi lembrada (Foto: Acervo pessoal) 

Vida, morte e esquecimento
Embora famosa por toda Salvador, muitas informações sobre Floripes são completamente desconhecidas e, portanto, permeadas por dúvidas e mistérios. Do pouco que se sabe é que, antes da transformação, trabalhou como cozinheira em restaurantes populares, tendo ocupado também funções como lavadora e engomadora de roupas masculinas.

Dados sobre um possível casamento, lugar onde nasceu e o paradeiro dos pais e irmãos caíram no completo esquecimento.

As circunstâncias da sua morte também são nebulosas. A mais difundida entre as versões é que foi assassinada por um biscateiro no mercado de São Miguel, na Baixa dos Sapateiros, no dia 3 de julho de 1984. Na história que ficou pública, Floripes teria brincado com o homem e surrupiado um pedaço da carne do seu prato, numa investida sedutora.

Irritado, o sujeito desferiu uma sequência de socos e matou Floripes ali mesmo, no meio do expediente. Horas depois, interrogado por um inspetor de polícia, teria dito que “conhecia Floripes e não tinha nada contra ela”, mas que “a alegria dela irritava”.

A segunda morte de Floripes foi seu quase completo apagamento da história. Para uma personalidade que marcou o imaginário coletivo de toda uma geração de soteropolitanos, há pouquíssimas citações em jornais, trabalhos acadêmicos ou simples menções na internet. Um silêncio que não condiz com uma existência tão eloquente.

“Resgatar a história de Floripes e contar quem foi ela é um serviço que prestamos à sua memória. Antes de todas as lutas contra a homofobia, antes de teorias e trabalhos de tolerância, existiu alguém aqui que resistiu sozinha ao preconceito e usou sua coragem por um único direito: o de simplesmente existir. Floripes é a alegria dessa cidade”, conclui Adson.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas