Abolição da Injustiça

artigo
09.11.2019, 05:20:00
Atualizado: 11.11.2019, 14:18:07

Abolição da Injustiça


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Em janeiro de 1835, negros escravos e libertos, em resposta aos séculos de escravidão , organizaram a Revolta dos Malês. Após o fracasso do movimento, foram acusados criminalmente. O processo é composto por acusação, defesa e julgamento. Mas, como aquelas pessoas pobres se defenderiam?

Sem dinheiro para contratar advogados, dependiam de caridade ou de bacharéis contratados pelos escravagistas. Aos libertos, restou a caridade. Aos escravos, a defesa no que importava aos que os viam como posses. Desperdício de sangue era aceitável; de dinheiro nunca.

O historiador João José Reis, em Rebelião Escrava no Brasil, analisou muitos daqueles processos, dos quais 115 chegaram à sentença. De 80 escravos, 35% foram absolvidos, contra nenhum dos 55 libertos.

Dos escravos, 11% foram condenados a alguma pena que os inutilizavam enquanto mão de obra para os senhores. Entre os libertos, esse foi o fim de nada menos que 96%. A inexistência de um sistema público de assistência jurídica selava os destinos.

Mais de 150 anos depois, entre os direitos fundamentais na Constituição de 88, há os que só se concretizam para quem não é rico com a existência de uma instituição estatal apta a fornecer o acesso à justiça de graça. “A lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito”. “O Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos”.

Para materializar a ordem constitucional, há a Defensoria Pública, definida como “expressão do Regime Democrático”. Sua função é realizar a defesa dos necessitados de forma integral e gratuita. Há prazo até 2022, para que cada comarca do país possua defensores públicos em quantidade semelhante aos dos demais integrantes do sistema de justiça.

Na Bahia, a Defensoria tem crescido mesmo na crise econômica. Em 2015, o serviço era oferecido em 22 comarcas. Hoje, são 45. Os recursos vão até o STF. Aliás, todos os dados demonstram que a chance de êxito em Brasília é maior com a Defensoria.

O quadro ainda está longe do ideal. Não há defensores em 158 comarcas. O orçamento da Defensoria baiana representa apenas 0,49% da receita corrente líquida do Estado. No tripé do sistema de justiça, de cada 100 reais investidos, apenas seis vão para a instituição que representa os pobres.

Comunidades sem defensores seguem tão fragilizadas quanto em 1835, sem sequer a proteção interessada dos senhores de engenho. Como os libertos do século XIX, os pobres ficam mais vulneráveis que os antigos escravos. Fere a Democracia a falta de defesa estruturada para eles. Seria razoável que todas as acusações penais de uma cidade ficassem a cargo de trabalhadores voluntários ou em início de carreira? E pra defender é certo?

Já passou a hora de abolir a injustiça.


Rafson Ximenes é Defensor Público Geral da Bahia

Opiniões e conceitos expressos nos artigos são de responsabilidade dos autores

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/idoso-de-81-anos-e-o-100o-paciente-com-covid-19-a-ter-alta-no-hospital-portugues/
Unidade comemorou liberação do homem, que deu entrada há seis dias com 50% do pulmão comprometido
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-um-susto-targino-se-prepara-para-cantar/
Músico sofreu grave acidente de carro, mas escapou ileso e agora se prepara para fazer lives
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sao-joao-sera-comemorado-com-maratona-de-lives-promovidas-pelo-correio/
Serão seis apresentações de bandas e cantores durante o projeto, que arrecadará doações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/junho-chegou-correio-promove-lives-para-comemorar-o-sao-joao/
Apresentações acontecem sempre às sextas e sábados de junho, às 19h
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/editorial-fotografado-a-distancia-une-tres-paises-na-quarentena/
O ensaio foi realizado pela plataforma Zoom, usando celular
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bau-de-marrom-a-bahia-tambem-ensina-como-cantar-e-dancar-forro/
Além da Axé Music a Bahia também exporta arrasta pé
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/copo-de-leite-faz-haddad-acusar-bolsonaro-de-brindar-supremacistas-brancos-entenda/
Leite tem sido usado como símbolo por neonazistas nos EUA; petista enxergou provocação após repercussão de mortes de homens negros. Presidente nega
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/anastacia-comemora-80-anos-com-muito-forro/
Cantora e compositora lança EP com produção de Zeca Baleiro e parcerias com Mariana Aydar, Chico César e Amelinha
Ler Mais