ACM Neto: fechamento de questão do DEM sobre Previdência depende do texto votado

bahia
04.04.2019, 15:35:00
Atualizado: 04.04.2019, 16:34:11

ACM Neto: fechamento de questão do DEM sobre Previdência depende do texto votado

Em Brasília, ele teve reunião com Bolsonaro para tratar de reforma

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM, ACM Neto, admitiu nesta quinta-feira, 4, que o partido pode fechar questão em torno da reforma da Previdência, mas quer esperar o término da tramitação nas comissões para verificar o teor da proposta que irá ao plenário da Câmara. Ele também não descartou integrar formalmente a base do governo em algum momento, mas sem especificar quando isso ocorreria. 

Neto conversou com a imprensa após reunião com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Onyx Lorenzoni, um dos três ministros do DEM no governo. O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), também acompanhou a conversa, que ocorreu no Palácio do Planalto. O encontro faz parte de uma série de conversas entre Bolsonaro e dirigentes de siglas ao longo do dia Bolsonaro também recebeu presidentes do PRB, PSDB, PSD e PP. 

"O fechamento de questão tem relação direta com o texto que for votado no plenário. Temos a primeira fase de admissibilidade (na CCJ), depois comissão especial... É possível que o texto do governo sofra alterações, Democratas querem dar sua contribuição nesse texto. E se o texto que for votado no plenário tiver apoiamento majoritário do partido podemos avançar para propor fechamento de questão", disse ACM Neto. 

O prefeito da capital baiana comentou a reunião em uma postagem, feita pouco depois das 16h.

O democrata ainda reforçou que "o fechamento de questão vai estar relacionado diretamente ao texto que será votado no plenário". "Não descarto de maneira alguma que a gente possa fechar questão, mas é cedo poder cravar isso porque reforma está apenas começando a sua tramitação", complementou.

Durante reunião com Bolsonaro, ACM Neto contou que não houve convite para que a legenda integre formalmente a base aliada. Ele também afirmou que o governo e o partido possuem "preocupações imediatas relacionadas ao relacionamento entre Executivo e Legislativo. 

"A gente tem hoje preocupação imediata que é garantir um bom ambiente no Congresso. Isso não passa apenas pelo DEM, e sim pelo conjunto das Casas. Ser base formalmente ou não é algo que pode acontecer no momento em que tiver deliberação da Executiva do partido, mas a preocupação maior tanto do DEM, como do presidente, não está na formalidade em dizer 'é base ou não', e sim que diálogo possa ser produtivo." 

Para o prefeito de Salvador, a reunião com o presidente nesta quinta marca "o início de um novo momento, onde o diálogo será uma constante". Ele confirmou que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, mencionou a intenção de fazer reuniões periódicas com presidentes e líderes de partidos. 

"O meu espírito é no sentido de que haja amplo entendimento do Democratas com o governo. Nós queremos ajudar o Brasil. Se o espírito do governo também for esse, não vejo motivo para essa relação não ser correta e de parceria", declarou ACM Neto. Ele contou que o clima da conversa foi positivo.

O presidente do DEM negou que tenham tratado de indicações de cargos no governo e destacou que o DEM não pretender discutir isso "em nenhuma hipótese". Ele disse que Bolsonaro demonstrou intenção de fazer com que agenda do governo possa avançar no Congresso e que isso também é interesse do DEM. 

Ao ser questionado, ACM Neto evitou falar se conversou diretamente sobre as divergências entre Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), mas disse que conversaram sobre todos os assuntos relativos ao partido. Ele disse que Maia e Bolsonaro são pessoas maduras e que sempre vai defender o diálogo entre eles.

Sobre a participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), opinou que, se houve "algum exagero", foi da parte dos parlamentares da oposição, e não de Guedes. "A oposição passou dos limites na provocação", avaliou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas