Acusado de furto em loja da Zara em Salvador pede indenização de R$ 1 milhão: 'Racismo'

salvador
07.01.2022, 12:31:43

Acusado de furto em loja da Zara em Salvador pede indenização de R$ 1 milhão: 'Racismo'

Caso aconteceu no dia 28 de dezembro no Shopping da Bahia

Fernandes Júnior, homem negro que foi acusado de roubo em uma loja da Zara no Shopping da Bahia, vai pedir indenização de R$ 1 milhão na Justiça. A informação foi dada pelo advogado Thiago Thobias em entrevista ao g1.

De acordo com o defensor, a ação será protocolada na próxima semana, quando o Judiciário volta de recesso de final de ano.

A defesa de Fernandes Júnior, que é natural de Guiné-Bissau, na África, acredita que apenas o ressarcimento financeiro pode evitar novas práticas de racismo na loja.

"Somente uma indenização de alto valor poderá desestimular os autores de práticas reiteradas de racismo. O caráter educativo e punitivo tem que se fazer suficiente para evitar que tais práticas se repitam", disse o advogado ao g1.

Segundo Thobias, o valor precisa ser suficiente para "abalar economicamente uma empresa do porte da Zara", e assim evitar outros crimes de racismo.

Relembre
O caso aconteceu no dia 28 de dezembro na loja Zara do Shopping da Bahia. Um homem negro foi abordado por um segurança, que pediu para revistar sua mochila, acusando-o de roubo.

O caso foi filmado por uma pessoa que passava no momento. Nas imagens é possível ver que o acusado abre a mochila, mostra cartões, documentos e diz que tem condições de comprar o que quiser na loja.

A assessoria do Shopping da Bahia informou que um segurança do empreendimento foi acionado por representantes da loja, solicitando que o cliente retornasse à loja. "Pedido que foi prontamente atendido pelo cliente, que apresentou as notas fiscais ao lojista", diz a nota.

O shopping, no entanto, ressalta que o segurança não poderia ter atendido tal solicitação, que fere o regulamento da empresa.

"A administração do Shopping da Bahia não compactua com qualquer ato discriminatório e incluirá as imagens deste fato nos treinamentos internos para evitar que se repitam", diz a nota.

Já a assessoria da Zara informou que "está apurando todas as informações relacionadas ao fato ocorrido na tarde desta terça-feira, no Shopping da Bahia, para tomar as providências necessárias e evitar que episódios como esse se repitam. A empresa rechaça qualquer forma de discriminação, tema que deve ser tratado com a máxima seriedade em todos os âmbitos."

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas