Advogados de Joesley dizem que imunidade de empresário é válida

brasil
09.11.2018, 16:02:58
(Foto: AFP)

Advogados de Joesley dizem que imunidade de empresário é válida

Eles vão pedir a liberdade do empresário ainda hoje

O advogado do empresário Joesley Batista afirmou nesta sexta-feira (9) em frente à sede da Polícia Federal, que seu cliente recebeu a notícia de sua prisão, pela manhã, com surpresa, pois ainda colabora a Justiça. O empresário foi detido no âmbito da Operação Capitu, que investiga, dentre outros itens, pagamentos de propina da JBS a agentes federais do Ministério da Agricultura. 

"Tem saído na imprensa que a antiga delação de Joesley estaria suspensa, mas não é verdade. A delação já firmada segue em vigor e todos os fatos já foram relatados anteriormente", disse o advogado a jornalistas em frente à sede da PF, na zona oeste de São Paulo. 

Bottini também disse que Joesley acaba de prestar um novo depoimento para a Polícia Federal, na sede localizada no bairro da Lapa. Segundo o advogado, os fatos nos quais o empresário está envolvido foram apresentados por ele mesmo. "Não há razão para essa prisão. Pediremos a reconsideração da prisão ainda hoje", enfatizou.

Delação valendo
Apesar das prisões, os acordos de colaboração premiada de Joesley Batista e Ricardo Saud, do Grupo J&F, ainda têm validade jurídica. O processo de rescisão dos acordos, iniciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR), está em andamento, com provas e depoimentos em produção, e só será concluído quando o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) se pronunciar em julgamento, podendo mantê-los de pé ou derrubá-los.

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot prestará depoimento na próxima segunda-feira, 12, às 14h, no Supremo, como parte das atividades de instrução do processo.

Foi Janot que decidiu pela rescisão dos acordos de Joesley e Saud pouco antes de ser substituído em seu cargo por Raquel Dodge. A atual mandatária da PGR pediu a rescisão também dos acordos de Florisvaldo Oliveira e Francisco de Assis e Silva, que também estão sendo analisadas na corte.

Florisvaldo é também alvo da Operação Capitu, mas não foi preso ainda por estar em viagem.

A Polícia Federal informou em coletiva de imprensa nesta sexta-feira, 9, que a prisão de colaboradores de uma empresa produtora de proteína animal se deveu a eles, supostamente, terem deixado de prestar informações sobre as quais tinham conhecimento, de forma a obstruir ou desviar a atenção dos investigadores.

Além de contradições entre depoimentos, a PF disse que não foram prestadas informações sobre um pagamento de R$ 50 mil do grupo empresarial a um deputado federal da Paraíba no contexto da tramitação da Medida Provisória 653 no Congresso. Essa informação foi descoberta, segundo a PF, sem ajuda dos delatores

As defesas negam e reiteram que Joesley, Saud e também Demilton Castro prestaram, cada um, três depoimentos e apresentaram todas as informações que detinham. E afirmam que as informações trazidas à tona na operação haviam sido previamente repassadas às autoridades pelos próprios colaboradores.

Outra afirmação é que o inquérito, ao contrário do informado pela PF, teve origem nas colaborações da J&F, e não na do doleiro Lucio Funaro.

A PGR não participou da operação, mas acompanhará as informações que levaram às prisões. O que tiver sido apurado de descumprimento deve ser informado ao órgão de cúpula do Ministério Público Federal, para análise. Se constatado que há provas nesse sentido, elas serão juntadas no processo de rescisão, que ainda está sendo instruído.

A defesa dos delatores do grupo J&F alega que o acordo de colaboração dos executivos não está com efeitos suspensos. "A situação jurídica dos colaboradores continua igual e só poderá ser modificada com decisão do plenário do STF", diz.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas