Aeroporto de Salvador: 116 novos horários já estão em operação após saída da Avianca

bahia
25.10.2019, 05:00:00
Atualizado: 25.10.2019, 08:17:08
(Mauro Akin Nassor/ Arquivo CORREIO)

Aeroporto de Salvador: 116 novos horários já estão em operação após saída da Avianca

Rotas domésticas operadas pela Avianca já foram absorvidas por outras companhias.

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Cento e dezesseis novos horários já estão em operação no aeroporto de Salvador cinco meses depois de suspensas as operações da Avianca. Com o número, todas as rotas domésticas operadas pela companhia já voltaram a circular através de outras empresas. Desde julho, Gol, Azul, Latam e Passaredo adicionaram novos horários em suas rotas para suprir a demanda deixada pela Avianca.

Segundo informações da Vinci Airports, concessionária que opera o terminal, pelo menos outros 27 novos trechos já saem, também, de aeroportos no interior. Até 2020, a previsão é que 215 novos voos estejam em operação.

Nos novos horários, estão incluídos voos que vão deixar de decolar apenas durante o período de alta estação e passarão a sair durante todo o ano. Segundo informações da Secretaria de Turismo do Estado da Bahia (Setur), são 73 horários da Azul Linhas Aéreas, 53 da Gol, 54 da Latam e 35 da Passaredo. No interior, o aeroporto de Ilhéus passa a contar com 18 novos voos e o de Vitória da Conquista com 12, a partir deste mês de outubro.

Na Latam, por exemplo, os 54 novos horários correspondem a ampliação na quantidade de partidas em seis trechos diferentes, além do lançamento de uma nova rota. A viagem do aeroporto de Salvador até o Santos Dumont, no Rio de Janeiro, contará com 21 viagens por semana.

Outras rotas, que ligam cidades na Bahia com destinos como São Paulo, Fortaleza, Brasília e Belo Horizonte, também tiveram novos horários adicionados. Procuradas, Gol, Azul e Passaredo não responderam ao CORREIO para comentar suas novas operações, até o fechamento desta reportagem

“Medidas como a redução do ICMS possibilitam viabilizarmos o aumento de voos na Bahia de maneira mais sustentável e fortalecer importantes rotas com grande potencial de conectividade. Ao ampliarmos a ligação de Salvador e Porto Seguro com Guarulhos, por exemplo, estamos aproximando ainda mais a Bahia das conexões da Latam com o Brasil e o mundo”, acredita Jerome Cadier, CEO da Latam Brasil.

Reflexos 
O cenário, no entanto, ainda não é ideal para quem trabalha com turismo.  “Os voos estão sendo bem aproveitados e saindo com um bom número de passageiros, mas as tarifas, apesar de terem melhorado, ainda não chegaram ao que eram quando tínhamos a Avianca”, comentou Jorge Pinto, vice-presidente da Associação Brasileira de Agência de Viagens na Bahia (Abav-Ba). 
 
O representante exemplifica que, atualmente, uma viagem de final de semana para São Paulo custa, aproximadamente, R$ 1.300. O valor inclui ida e volta com saída de Salvador na sexta e retorno no domingo. Quando a Avianca ainda operava, o mesmo trecho, em um final de semana, poderia ser adquirido por R$ 500. “Precisamos adicionar mais voos de baixo custo nas rotas domésticas, para obrigar as companhias a reduzirem os valores”, acredita Jorge.
 
Outro número que ainda não voltou ao normal, mesmo com a adição de novos horários, foi o de passageiros circulando no aeroporto da capital, que está na primeira fase das obras de melhoria. Segundo balanço divulgado pela Vinci, entre julho e setembro deste ano, o aeroporto de Salvador transportou 1,92 milhão de passageiros.

O número, se comparado ao mesmo período do ano passado, quando a Avianca ainda operava, revela que as companhias aéreas ainda em operação absorveram 70% do que era transportado pela empresa fechada. 
 
No caso dos hotéis, no entanto, a ausência desses 30% de passageiros nas aeronaves não se traduziu em queda de movimentos. “Tivemos muito receio com a saída da Avianca e passamos por momentos de muita apreensão com medo de termos uma baixa muito grande, o que não aconteceu. Em momento nenhum, tivemos uma ocupação menor do que a do ano passado, a queda não chegou nem a 1%, então nem consideramos”, afirmou Glicério Lemos, presidente da  Associação Brasileira da Indústria de Hotéis na Bahia (Abih-Ba)   

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Riberio 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas