Alarme que disparou em barragem de Pituaçu protege contra invasão, diz Embasa

salvador
23.08.2019, 16:00:00
Atualizado: 23.08.2019, 16:45:12
(Mauro Akin Nassor/CORREIO)

Alarme que disparou em barragem de Pituaçu protege contra invasão, diz Embasa

Segundo a empresa, o som tocou sem autorização

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um alarme de intrusão. Segundo a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), foi isso que causou pânico nos moradores da comunidade do Bate-Facho, no Imbuí, há praticamente um mês, quando o alarme do sistema de segurança da barragem de Pituaçu disparou.

Segundo a Embasa, trata-se de um mecanismo de defesa usado para evitar depredação ou invasão do local. Apesar dos esclarecimentos, a empresa destaca que o sistema foi ativado sem o seu conhecimento e autorização, já que a implantação do alarme ainda não foi totalmente concluída.

De acordo com Marcelo Matta, diretor da Tecal Engenharia, empresa contratada para implantar o sistema, o som ouvido pelos moradores não é igual ao que seria escutado em caso de uma situação de risco. “O volume do som ouvido pelos moradores corresponde a 10% do que seria emitido em uma situação de alerta”, afirmou ele, que disse ainda que os moradores do local serão treinados para reconhecer os diferentes sons emitidos pelo equipamento.

O sistema de segurança da barragem de Pituaçu, segundo a Tecal Engenharia, foi desativado até que a implantação do novo equipamento esteja completamente finalizada e a população seja devidamente instruída.

Apesar disso, não há motivo de apreensão, segundo o supervisor de Barragens da Embasa, Lúcio Landim, que afirma que o local é inspecionado de forma regular e o nível do reservatório é monitorado a cada cinco minutos.

“Aproveitamos para tranquilizar a comunidade, pois a barragem de Pituaçu se encontra completamente íntegra e sem riscos estruturais. O sistema de alerta que está sendo implantado tem caráter preventivo, mas o risco de um eventual rompimento é extremamente baixo, pois a barragem de Pituaçu é uma estrutura estável, construída há mais de cem anos e que, inclusive, passou por reformas estruturais recentes”, ressaltou.

Na manhã da última quarta-feira (21), a Embasa se reuniu com os moradores da comunidade do Bate-Facho para informá-los sobre o processo de implementação do sistema de monitoramento da barragem de Pituaçu. Cerca de cem pessoas, entre moradores, representantes da Embasa, da Defesa Civil estadual (Sudec) e do Inema, ouviram as explicações de representantes da Tecal Engenharia.

* Com supervisão da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas