Alfabeto japonês explica Zâmbia desfilar antes do Brasil nas Olimpíadas; entenda

em alta
23.07.2021, 14:58:19
(Foto: Reprodução)

Alfabeto japonês explica Zâmbia desfilar antes do Brasil nas Olimpíadas; entenda

Delegação brasileira foi apenas a 152ª a aparecer

Uma dos primeiros assuntos ensinados na escola é a ordem do alfabeto - o famoso "ABC". Lá, aprendemos que a letra B vem bem antes da Z. No entanto, o que explicaria, numa ordem alfabética, a Zâmbia entrar antes do Brasil na cerimônia de abertura das Olimpíadas de Tóquio?

Acontece que, no Japão, as crianças aprendem que o Z vem antes do B. O alfabeto japonês reproduz em forma escrita as sílabas fonéticas modernas. O ordenamento começa com as vogais (na sequência a, i, u, e, o) e depois as consoantes. Há uma ordem entre as consoantes, que segue com k, g, s, z, t, d, n, h, b, p, m, y, r, w.

A ordem que segue a pronúncia japonesa é a, i, u, e, o, ka, ki, ku, ke, ko, seguindo a formação de sílabas.

E como a ordem de entrada é definida pelo alfabeto local, o Brasil acabou se tornando a 152ª delegação a desfilar em um universo de 205 países.

Há dois alfabetos no país, que têm 46 caracteres cada para escrever os sons fonéticos modernos. O japonês escrito também “importou” alguns caracteres chineses que são ensinados na escola.

Há algumas exceções na ordem das delegações, no entanto.

A primeira delegação a marchar é a da Grécia. Isso sempre acontece. A Grécia da Antiguidade inventou os Jogos Olímpicos e, na era contemporânea, os primeiros jogos aconteceram lá.

Neste ano, os segundos no estádio são os refugiados, que disputam como Equipe Olímpica de Refugiados.

O Japão foi o último —a tradição é que o país sede sempre fecha o desfile das delegações.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas