Antológicos Saraus do Theatro XVIII são resgatados e reeditados para meio digital

entre
16.01.2021, 11:00:00
Maria Bethânia e Rita Assemany no Sarau do XVIII em agosto de 2001 (Sora Maia/Divulgação )

Antológicos Saraus do Theatro XVIII são resgatados e reeditados para meio digital

Doze dos mais de 100 recitais apresentados entre os anos de 1997 e 2010 foram reeditados misturando imagens atuais e de edições originais e irão para o YouTube

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Era uma das tantas segundas-feiras dos anos de 1997 a 2010. Uma pequena casa de espetáculos atraia para o Centro Histórico de Salvador gente de todas as classes sociais, ávida para consumir arte. Já no final daqueles velhos dias, enormes filas se formavam na ladeira que dava acesso ao Theatro XVIII. Lá dentro, atores, cantores, músicos e artistas das mais diversas linguagens davam ao público o que ele ia buscar. Poesia, prosa, música, pensamento e até filosofia. A cena se repetia todo primeiro dia útil da semana quando o pequeno palco se agigantava com a força da palavra. 

(Divulgação)
Aninha Franco reescreveu roteiros e apresentará as versões atualizadas

Eram os Saraus do XVIII, um dos tantos projetos criados pelas então gestoras do espaço Aninha Franco e Rita Assemany, que se repetiram mais de 100 vezes ao longo desse período reunindo no tablado gigantes como Maria Bethânia, Maria Alice Vergueiro, Elias Andreatto, Laila Garin, Jerônimo, Nadja Turenko e outros grandes nomes da cena artística brasileira. Eram estes artistas da palavra que davam voz - através de roteiros bem costurados – a textos de autores brasileiros e estrangeiros em formato de recital. Alguns populares, outros pouco difundidos. Para a plateia, pouco importava. 

(Divulgação)
Rita Assemany dirige gravações e edita imagens das apresentações originais

Contrariando a máxima de que o Brasil não tem memória, agora, mais de 10 anos depois da última edição, as criadoras resolveram rebobinar a fita que guardava estes importantes registros e reeditar a história para ser eternizada no mundo virtual.  A partir da próxima segunda-feira (18), pontualmente às 19h30 – horário em que os saraus eram apresentados ao vivo - o público poderá conferir 12 destas edições em versões atualizadas, misturando novos e antigos personagens, em programas de audiovisual que serão disponibilizadas toda segunda-feira, durante 12 semanas, no canal da República AF - espaço cultural que Rita e Aninha comandam atualmente no mesmo Pelourinho - na plataforma digital YouTube. 

(Divulgação)
Ricardo Castro é um dos convidados da remontagem do Sarau da Saudade 

Para abrir a programação do projeto - que tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal – a dupla escolheu o Sarau da Saudade – mais do que oportuno nestes tempos atuais - que contou com a presença luxuosa da cantora Maria Bethânia, artista convidada da edição do dia 6 de agosto de 2001.

A versão atualizada traz registros da apresentação original da cantora recitando poemas como A arte de perder, de Elizabeth Bishop, além de obras de outros autores, intercalados com participações atuais, gravadas nos últimos dias, no palco da República AF, com os artistas Ricardo Castro, Will Carvalho e o violinista Rudnei Monteiro. Vale destacar ainda a participação da atriz Nadja Turenko, falecida em 2016, na apresentação original.

Os registros da performance da cantora santamarense são verdadeiras relíquias captados amadoramente pelo diretor alemão Harold Weiss, com uma pequena câmera amadora.
 “São os únicos registros existentes e, com a autorização de Bethânia, digitalizamos as imagens e inserimos no audiovisual. São imagens inéditas, nunca foram divulgadas. Weiss usou uma câmera de filmar caseira de Aninha (Franco) que tínhamos lá, daí este ser um registro histórico”, conta Rita Assemany que dirige os 12 programas que irão ao ar na plataforma digital. 

Curadoria
Selecionar 12 dos mais de 100 saraus apresentados, não foi uma missão fácil. A tarefa só foi possível porque as duas tiveram o cuidado de catalogar e guardar todo o material original do que foi produzido no XVIII. “Foi uma escolha difícil, estamos há meses trabalhando com uma equipe enxuta, selecionando material físico, relendo e adaptando os roteiros para deixa-los mais contemporâneos, uma loucura! Mas ao mesmo tempo tem sido maravilhoso revisitar esse acervo e, melhor ainda, poder disponibilizar para o mundo”, comemora Aninha Franco.

Depois do Sarau da Saudade que, segundo Assemany foi o escolhido para abrir a programação por se encaixar perfeitamente com o momento em que estamos vivendo, outros 11 já foram escolhidos e já entraram em processo de produção. “A ideia inicial era gravar todas as participações nas casas dos convidados, mas o artista está carente do encontro, da troca na hora da criação, daí que alguns deles foram gravados na Sala Ita da República”.

(Divulgação)
Wil Carvalho interpreta clássicos na nova versão do Sarau da Saudade

As duas organizadoras contam que toda edição terá um artista convidado – da Bahia ou do mundo – além de participações especiais de artistas do elenco original ou que nunca participaram, mas que têm relação com a obra apresentada. 

E por falar em obra, depois do Sarau da Saudade, que reúne textos de diversos autores, as próximas edições também serão temáticas. O próximo, por exemplo, que será disponibilizado no YouTube no próximo dia 25 de janeiro, vai passear pelo obra do poeta Gregório de Mattos. 

Para as próximas edições estão previstos saraus com as obras de Clarice Linspector (uma homenagem ao seu centenário), Ascenso Ferreira, João Cabral de Mello Neto, Hannah Arendt, Manuel Bandeira, Jorge Luís Borges, dentre outros. Vale lembrar que os programas tem tradução para a linguagem sinais (LIBRAS).

SERVIÇO
O QUE: Saraus do XVIII 
QUANDO: a partir de 18/1, às segundas-feiras, durante 12 semanas
HORA: 19h30
ONDE: Canal República AF - Youtube
CLASSIFICAÇÃO: livre

FICHA TÉCNICA
Direção: Rita Assemany
Roteiro e Apresentação: Aninha Franco
Produção executiva: Levina Ferraz
Acessibilidade em libras
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas