Apagão das redes: se foi difícil para você, imagina para quem vive de publi

entretenimento
05.10.2021, 19:23:25
(Fotos: Reprodução/Instagram)

Apagão das redes: se foi difícil para você, imagina para quem vive de publi

Influenciadoras baianas foram algumas das que questionaram a dependência das redes sociais

O apagão de algumas das principais redes sociais, nessa segunda-feira (4), fez com que muitos influenciadores digitais refletissem sobre o impacto que essas plataformas possuem em suas vidas pessoais e profissionais. Depois de passarem mais de sete horas sem poder compartilhar looks e fazer “publis”, as baianas Gabriela Pugliesi e Carol Peixinho foram algumas que desabafaram, no Instagram, sobre o uso indiscriminado das redes. 

Para além de todos os memes e piadas que o apagão das redes renderam, o questionamento das influenciadoras remete a um fato que deve ser levado em conta: se pessoas comuns já se consideram dependentes do WhatsApp e do Instagram, o quão tensionada é a vida de quem utiliza as redes sociais como forma de ganho financeiro, através das publicidades? 

“É bizarro o quanto a gente é dependente das redes. Eu sou de uma geração que não tinha internet e vivíamos muito bem; parece que agora estamos reféns e é um caminho sem volta”, desabafou Pugliesi. 

A baiana, conhecida nos meios de comunicação por “Publiesi”, já foi inclusive advertida pelo Conselho Nacional de Autorregulação Publicitária, em 2016, por ter postado uma publicidade sem destacar que era uma parceira paga pela Skol, o que não é permitido. 

Além dela, a ex-bbb Carol Peixinho também usou as próprias redes, assim que foram restabelecidas, para falar sobre a dependência. Depois de dizer que passou um dia sem estresse e sem muito contato com o celular, a influenciadora compartilhou um temor pessoal com seus 4 milhões de seguidores: “É muito assustador como estamos dependentes desses meios de comunicação. Se hoje tá assim, imagina daqui a dois anos...”

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas