Após 38 anos, mulher descobre quem é seu verdadeiro pai

em alta
21.06.2022, 18:14:00
(Diego D'Ascheri Dicom/DPE-GO)

Após 38 anos, mulher descobre quem é seu verdadeiro pai

Homem morava a duas ruas do endereço da família, e não sabia de sua existência

Uma dona de casa Jacqueline Ferreira da Silva, de 44 anos, demorou 38 anos para descobrir a existência do pai. Isso porque a mãe não havia revelado ao pai verdadeiro que estava grávida e o homem havia se mudado da cidade onde ela morava, Goiânia, sem saber que tinha uma filha. A história foi contada pelo Metrópoles.

Agora, ela tem um novo nome no documento de identidade: Vieira, herdado do agrimensor Edvaldo Vieira, de 65 anos. A ação foi promovida pela Defensoria Pública do Estado de Goiás (DPE-GO) na manhã do dia 12 de março deste ano.

“Eu cresci ouvindo, tanto na infância e adolescência, como na fase adulta, ‘Você não tem pai não? Por que você não tem pai? Quem é seu pai?’. Então é uma situação muito difícil. Eu tentava não absorver aquilo para mim, porque os problemas eram tantos… O pai faz falta em tudo: afetivo, educação e principalmente alimentação”, disse a dona de casa ao portal.

Aos 15 anos, trabalhando como empregada doméstica e babá para ter dinheiro e concluir os estudos, procurou o homem que a mãe dizia ser seu pai. "Ele falou por telefone que não era meu pai, que era para eu perguntar à minha mãe. Eu fiquei tão chateada, mas continuei achando que ele era meu pai”.

Quando Jacqueline teve filhos, o homem que acreditava ser seu pai morreu, e um de seus filhos começou a ter problemas intestinais graves, de difícil diagnóstico médico. A suspeita era de erro inato do metabolismo, problema de saúde raríssimo.

“Precisava saber se era hereditário ou se ele adquiriu essa doença. Eu falei para minha mãe que ia ter que procurar minhas irmãs por parte de pai, para saber se alguém tinha tido esse problema. Minha mãe ficou calada, mas uma semana depois minha irmã me ligou falando. Minha mãe não teve coragem de me falar, falou para minha irmã”, relatou a dona de casa.

O verdadeiro pai de Jacqueline estava morando a apenas duas ruas do endereço da família, sem saber de sua existência. Ele havia voltado a morar em Goiânia. “Eu passava todos os dias na porta da casa dele para ir na escola, na ida e na volta, e não sabia que era meu pai”.

O encontro

Há seis anos, Jacqueline foi até o escritório de Edvaldo Vieira para revelar a verdade. Após muito duvidar, Edvaldo aceitou fazer o teste de DNA: positivo. Desde então, os dois vivem como pai e filha.

O filho da dona de casa, ela descobriu, tem uma doença inflamatória intestinal, não relacionada a inicial suspeita. "Mas aquela doença grave de metabolismo parece que foi só para achar meu pai. Repetimos os exames e deu normal”.

Sobre a mãe, Jacqueline disse ter entendido o lado dela em manter segredo. “Não julguei e não condenei. Ela teve os motivos dela. Agora é vida para frente”, disse.

Sobre o pai, ela contou ter irmãos, e disse que a família toda se dá muito bem. "Nossa convivência é como se a gente sempre tivesse se conhecido”.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas