Após perder filho de 15 anos em acidente de moto, pai faz apelo: ‘usem capacete’

salvador
14.10.2021, 07:36:00
Atualizado: 14.10.2021, 07:42:17
Nadson sonhava em ser jogador profissional do Vitória e tinha o apoio do pai (esquerda) (Arquivo pessoal)

Após perder filho de 15 anos em acidente de moto, pai faz apelo: ‘usem capacete’

Nadson Santos Gonçalves morreu após colisão com carro; ele não usava o item de segurança obrigatório

“Eu espero que isso sirva de lição para muitos jovens. Se for sair, usem o capacete”. Esse foi o apelo de Jorgildo Silva Gonçalves, pai de Nadson Santos Gonçalves, morto com apenas 15 anos por causa de um acidente de moto ocorrido por volta das 18h desta terça-feira (12), na Ladeira do Abaeté, em Itapuã. O jovem não usava capacete e, na avaliação do pai, ele teria sobrevivido se estivesse com o equipamento de segurança.  

“O impacto na cabeça foi muito forte e o carro passou por cima dele, infelizmente. Os profissionais do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) ainda tentou reanimá-lo durante duas horas, mas não teve jeito. Acho que se tivesse com o capacete, o resultado seria diferente”, lamenta o pai. Ele conversou com a reportagem na manhã da última quarta-feira, enquanto aguardava a liberação do corpo no Instituto Médico Legal Nina Rodrigues (IML) para conseguir enterrar o corpo do filho às 16h, no Cemitério Bosque da Paz.  

Por causa da idade, Nadson ainda não era habilitado. Mesmo assim, ele pilotava a motocicleta e levava na garupa uma amiga quando, por volta das 18h, de acordo com informações dos familiares, um carro entrou na contramão, em alta velocidade, e atingiu o veículo.

“Estava acontecendo uma festa do Dia das Crianças na Rua Angélica. Ele saiu para levar a menina para a casa dela. Os amigos até disseram para ele não ir sem capacete. Assim eu soube, pois não estava no local”, conta Jorgildo.

Ele não sabe de quem era a moto usada pelo filho. “Para falar a verdade, eu nem sabia que ele andava pilotando moto", conta. A moça que estava com Nadson também não usava capacete. Ao contrário do rapaz, ela não chegou a ser atropelada pelo carro, segundo testemunhas, e foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itapuã, onde teria recebido alta médica.  

O veículo que causou o acidente foi apontado pelos familiares como um gol preto. O motorista fugiu sem dar atendimento. “Segundo o relato de pessoas que presenciaram o acidente, o carro estava tentando ultrapassar um micro-ônibus quando entrou na contramão e acertou a moto”, disse o pai.     

Familiares relatam que Nadson era um rapaz bonito e esforçado (Foto: arquivo pessoal) 

Nadson Santos Gonçalves queria ser jogador de futebol profissional do Vitória e frequentemente participava de peneiras do time há, pelo menos, dois anos. Além disso, ele era contratado para atuar em times amadores como lateral direito. Durante a manhã, o jovem trabalhava numa oficina, na tarde treinava futebol e, durante a noite, estudava. A família via futuro no garoto e acreditava no seu potencial. “Ele era a nossa esperança”, conta o pai.  

"Era um rapaz correria, trabalhador. Ele cresceu rapidamente e estava virando adulto. É muito triste o que aconteceu”, lamentou o empresário Marcos Roberto, que empregou Nadson como ajudante de pintor numa empresa de pintura de carro e acompanhou o pai do garoto no IML.

“Ele trabalhava comigo, pois se não desse certo no futebol, já tinha uma profissão garantida. Com 15 anos, o garoto já tinha esse pensamento”, lembra Roberto.  

Segundo o pai, Nadson era filho único por parte da mãe e tinha outros dois irmãos mais velhos por parte de pai. “Tanto a mãe como as tias estão inconsoláveis, pois elas cuidavam muito dele. Nossa família toda mora em Itapuã e o sentimento de dor é enorme”, conta Jorgildo.  

De acordo com a Policia Civil, o acidente foi registrado na 12ª Delegacia, localizada em Itapuã. “Nadson Santos Gonçalves, de 15 anos, sofreu um acidente fatal, na Ladeira do Abaeté. A vítima não era habilitada e estava sem capacete. A unidade expediu as guias periciais e vai apurar o caso”, disse a corporação, em nota.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas