Após registrar 1.424 mortes, Indonésia fixa data para encerrar buscas

mundo
05.10.2018, 07:05:00

Após registrar 1.424 mortes, Indonésia fixa data para encerrar buscas

Região começa a recuperar a normalidade uma semana depois do desastre

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

As equipes de resgate da Indonésia retomaram nesta sexta-feira (5) as busca de vítimas sob os escombros na região da ilha de Celebes, afetada pelo terremoto e tsunami da última sexta-feira (28). A região começa a recuperar a normalidade uma semana depois do desastre.

As autoridades fixaram esta sexta como prazo final para encontrar sobreviventes da catástrofe que, segundo o último balanço oficial, causou 1.424 mortes, deixou mais de 2,5 mil feridos e mais de 70 mil deslocados, além de vários danos materiais.

Em Palu, uma das áreas mais afetadas, a rede elétrica segue danificada em 60%, informou a companhia estatal de eletricidade, que espera restabelecer totalmente o serviço até o próximo dia 14.

Aproximadamente 800 pessoas passaram a noite no aeroporto, aguardando o momento de poder deixar a cidade, que já conta com grande presença de membros de organizações humanitárias, e que começou a mostrar os primeiros sintomas de normalidade com a abertura de alguns bancos.

Enquanto isso, várias organizações locais e internacionais se esforçam para enviar ajuda e assistência sanitária aos milhares de afetados, incluindo várias zonas como Labuan ou Wani, ao norte de Palu, mas quase não conseguiram ter acesso a essas regiões.

A Cruz Vermelha planeja distribuir alimentos não perecíveis no município de Sigi, onde a organização colabora na busca de dezenas de adolescentes de um acampamento religioso que foram soterrados por um deslizamento de terra.

Os parentes dos adolescentes, entre 11 e 15 anos, planejam se encontrar com as autoridades para determinar o número exato de desaparecidos que, segundo estimativa da Cruz Vermelha, seria em torno de 100.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas