Após tom de despedida, Gilberto recua e adota postura mais diplomática

e.c. bahia
10.05.2021, 19:20:00
Atualizado: 10.05.2021, 19:20:20
Após indicar possível saída, Gilberto mudou o tom (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Após tom de despedida, Gilberto recua e adota postura mais diplomática

"Momento de emoção, de euforia, a gente fala muita coisa", desconversou o atacante sobre possível saída do Bahia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O artilheiro Gilberto deixou a torcida do Bahia apreensiva em meio à comemoração pelo tetracampeonato da Copa do Nordeste, conquistado no sábado (8), sobre o Ceará. Ainda no gramado do Castelão, durante a festa, o atacante falou em tom de despedida e deu a entender que a passagem pelo Esquadrão está no fim.

Após toda a celebração e já com a cabeça fria, Gilberto não quer mais tocar no assunto. Nesta segunda-feira (10), ele preferiu desconversar sobre o possível adeus e deixou o futuro em aberto. O vínculo do centroavante com o Bahia vai até dezembro e, a partir de julho, pode assinar um pré-contrato com outra equipe.

“Momento de emoção, de euforia, a gente fala muita coisa. Não é a hora de falar. Acabei passando uma forma ali que parecia até que já tinha recebido proposta, que já tinha assinado com alguém, já estava de saída. Não é assim. O ponto é que eu já estou há três anos no Bahia, o clube que eu mais joguei, que mais fiz gols. Isso tem um peso enorme na minha vida, me deixa muito feliz. Mas também me deixa com bastante responsabilidade. Essa responsabilidade pesa de vez em quando. No momento de sábado, que eu estava eufórico, acabei falando sobre isso. Não gostaria de falar disso agora. É uma coisa muito delicada, tanto para mim como para a torcida”, afirmou em entrevista à ESPN.

Gilberto chegou ao Bahia em junho de 2018. De lá para cá, disputou 147 jogos e marcou 66 gols. Na temporada atual, são 14 partidas e nove gols. Oito deles pelo Nordestão, o que rendeu ao camisa 9, além do título, a artilharia.

Toda essa querela acontece em um cenário de dificuldade para renovação do contrato. Os números expressivos do atacante renderam mutirão da torcida nas redes sociais, pedindo a extensão do vínculo do atleta. O presidente do clube, Guilherme Bellintani, já comentou o desejo de manter o jogador no elenco, mas também admitiu que enfrenta concorrência de outros clubes e, que por aspectos financeiros, via a permanência como difícil. Gilberto recebe o salário mais alto do Bahia e sabe que está valorizado.

‘Sigo na minha’
A entrevista que colocou o assunto de novo à tona aconteceu em Fortaleza, logo após o Bahia vencer o Ceará por 2x1 e levar a melhor na disputa de pênaltis, por 4x2. 

“Eu sempre botei o Esquadrão em primeiro lugar desde que cheguei aqui e iniciei um ciclo há três anos. E esse ciclo está afunilando, coisa normal no meio do futebol. Tem gente que consegue ficar muito tempo num clube, outros precisam de outras metas, em um outro lugar. Não sei, talvez esse seja o momento de seguir em frente”, disse no sábado à TV Aratu.

Gilberto não revelou quais times estariam de olho nele - nem se seriam nacionais ou de outros países. Nesta segunda-feira (10), ele já mudou o tom.

“Falei daquela forma, e falo de uma forma geral sempre, porque meus números no Bahia foram expressivos. E, quando você tem números expressivos, no Bahia ou no Brasil, você se coloca em vitrine que o mundo todo está vendo. (...) Mas com certeza o Bahia está se blindando sobre isso. Vi uma recente declaração de Bellintani que eu tinha contrato até dezembro e que, possivelmente, se não fosse alguma coisa boa para o Bahia, não iria sair. Então sigo na minha. Até por ter contrato, né?”, comentou.

Alagoano da cidade de Piranhas, Gilberto fará 32 anos em junho. Centroavante de ofício, ele iniciou a carreira no Santa Cruz e passou por Internacional, Portuguesa, Vasco e São Paulo no Brasil. No exterior, jogou pelo Toronto, do Canadá, Chicago Fire, dos Estados Unidos, e Yeni Malatyaspor, da Turquia, onde estava antes de chegar ao Bahia.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas