Atirador de Paris já havia sido preso e era investigado por ligação radical

mundo
21.04.2017, 23:25:00
Atualizado: 21.04.2017, 23:29:18

Atirador de Paris já havia sido preso e era investigado por ligação radical

Karim Cheurfi, 39 anos, foi interrogado por suspeita de ligações com o Estado Islâmico, mas foi liberado por falta de provas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A identificação do atirador que matou um policial e deixou outros dois feridos na Avenida Champs-Élysées, em Paris, evidenciou a dificuldade das autoridades europeias em monitorar os terroristas ou possíveis radicais. Isso porque o homem de 39 anos, que foi morto após disparar na avenida mais famosa do país anteontem, já era conhecido das autoridades de segurança antiterror. 

Karim Cheurfi, de nacionalidade francesa, foi condenado em 2001 por ter atirado em um policial e há dois meses foi interrogado pela polícia por suspeita de ser uma ameaça à segurança pública. Fontes policiais confirmaram que Cheurfi foi monitorado e chamado a depor por prováveis ligações com o grupo extremista Estado Islâmico (EI). Porém, após o interrogatório, o homem foi liberado por falta de provas.

Horas depois do ataque na Champs-Élysées, o Estado Islâmico confirmou o que as autoridades francesas chegaram a cogitar: Cheurfi era mesmo um soldado do EI. Sua capacidade de escapar da rede de segurança às vésperas de uma eleição presidencial fortemente disputada lembrou aos governos europeus o quanto é difícil fazer uma triagem dos possíveis radicais por meio de uma série de dados de inteligência.

CAÇADA AOS CÚMPLICES

Ontem, a polícia francesa iniciou ainda na madrugada uma operação no subúrbio de Paris, na região de Seine-et-Marne, onde morava o atirador, para procurar possíveis cúmplices e reunir mais provas contra o autor do atentado.

Três pessoas próximas a Cheurfi, possivelmente seus parentes, foram detidas e interrogadas. Buscas foram realizadas na residência do atirador. Ainda no dia do atentado, uma carta em defesa do grupo radical foi encontrada perto do corpo do terrorista, segundo a Reuters. Em seu carro, foram encontrados um rifle e facas. 

O presidente francês, François Hollande, visitou ontem o hospital Georges Pompidou de Paris onde estão os policiais feridos no ataque. Ele estava acompanhado do primeiro-ministro, Bernard Cazeneuve, e do ministro de Interior, Matthias Fekl. Hollande foi também à sede da polícia da capital francesa para manifestar seu apoio às forças da ordem, segundo a agência Efe.

SEGURANÇA REFORÇADA

A avenida mais famosa da França foi liberada para os carros e pedestres ontem, mas a segurança está reforçada. Em outros pontos de grande movimentação, como a Torre Eiffel, também há uma grande quantidade de policiais circulando.

O governo da França anunciou ontem que suas forças de segurança foram completamente mobilizadas para o primeiro turno das eleições presidenciais, marcado para acontecer amanhã.

“Nada deve poder impedir o processo democrático fundamental do nosso país”, disse o primeiro-ministro, Bernard Cazeneuve, após uma reunião de emergência em seu gabinete para tratar da segurança.

O país está em estado de emergência desde novembro de 2015, quando o Estado Islâmico coordenou ataques à casa de shows Bataclan e restaurantes próximos, que deixaram 130 mortos e mais de 350 feridos na capital francesa.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas