Ativista antivacina espalha boatos sobre AVC em pilotos e aborto em palestra

coronavírus
26.11.2021, 21:47:19

Ativista antivacina espalha boatos sobre AVC em pilotos e aborto em palestra

Ao contrário do que diz médica, as vacinas contra a covid-19 não contêm grafeno ou células de fetos abortados, a Fiocruz não comprou cofre de R$ 130 mil, não há comprovação de relação entre os imunizantes e o aumento de casos de AVC em pilotos de avião ou de abortos espontâneos em mulheres
  • Conteúdo verificado: Trecho de palestra de uma médica na qual ela afirma que as vacinas são tóxicas, contêm grafeno e possuem células de fetos abortados, que espera-se aumento de pessoas demenciadas em decorrência da imunização e que houve aumento dos abortos entre mulheres e AVC entre pilotos de avião vacinados. A palestrante acrescenta, ainda, que estados norte-americanos aprovaram leis para dissolver os corpos porque há a expectativa de tantas mortes a ponto de não haver tempo para sepultamento ou cremação.

São falsas as diversas alegações feitas pela médica Maria Emília Gadelha Serra em relação às vacinas contra a covid-19 durante evento realizado no dia 14 de novembro de 2021 e gravado em vídeo que circula no WhatsApp, Twitter, Facebook e Telegram.

Na palestra, ela diz ter havido aumento de abortos entre mulheres vacinadas, o que é desmentido pelas evidências científicas mais robustas e também pela ginecologista Cecilia Roteli Martins, presidente da Comissão Nacional Especializada em Vacinas da Federação Brasileira de Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), que afirmou ao Comprova não ter havido aumento de abortos durante a campanha vacinal.

Maria Emília Gadelha alega não ser seguro viajar de avião porque pilotos vacinados estariam tendo AVCs. A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR) e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) negaram ao Comprova haver tais registros vinculados à vacina entre esses profissionais.

A médica também diz que estados norte-americanos estão aprovando a utilização da hidrólise alcalina para decompor cadáveres por conta de um falso aumento de mortes pós-vacinação. O método, contudo, foi aprovado por vários estados antes da pandemia e está ligado a preocupações ambientais.

Diz, ainda, que a Fiocruz “resolveu comprar” um cofre importado de R$ 130 mil para guardar contratos com a AstraZeneca, mas o órgão informou ao Comprova estar projetando um espaço para condicionamento de diversos documentos que possuem cláusulas em sigilo, não apenas com a farmacêutica citada. A fundação ainda não abriu licitação, portanto, não se sabe quanto isso irá custar.

Maria Emília repete, no discurso, afirmações amplamente desmentidas, como a de que as vacinas possuem grafeno na composição ou que sejam feitas a partir de células de fetos abortados.

O Comprova considera falso o conteúdo que é inventado e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Atualização: Esta verificação foi atualizada em 29 de novembro para incorporar resposta do Ministério da Saúde. A atualização não modificou a conclusão da investigação.

Como verificamos?
O Comprova identificou, inicialmente, em quais circunstâncias o vídeo foi gravado e confirmou que se tratava da médica Maria Emília Gadelha Serra fazendo as alegações.

Em seguida, entramos em contato com a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), responsável pela liberação de imunizantes no país e por monitorar dados de segurança após as vacinas serem liberadas para a população. Pedimos informações ao Ministério da Saúde, que enviou a resposta após a publicação da reportagem.

Entrevistamos a ginecologista Cecilia Roteli Martins, presidente da Comissão Nacional Especializada em Vacinas da Febrasgo, para informar as evidências científicas mais robustas sobre vacinação em grávidas.

Procuramos a Anac e a ABEAR para checar as alegações referentes à vacinação de pilotos.

Contatamos a Fiocruz para perguntar se há processo de compra de um cofre no valor de R$ 130 mil para armazenamento de partes do contrato com a AstraZeneca.

Consultamos checagens anteriores do Comprova para resgatar informações de alegações que já haviam sido refutadas.

Por fim, entramos em contato com a médica que fez as alegações, mas não obtivemos resposta.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 26 de novembro de 2021.

Verificação
Abortos não tiveram aumento

As evidências científicas mais robustas mostram que é falso associar as vacinas contra a covid-19 e a incidência de abortos espontâneos, diz a ginecologista Cecilia Roteli Martins, da Febrasgo. Ela explica que abortos espontâneos são muito comuns entre a 12ª e a 14ª semana de gestação por vários motivos, como malformação e deficiência hormonal. “Não houve nenhum aumento de abortos durante a campanha vacinal em comparação com o período anterior à pandemia.”

Anvisa disse que até o momento foram aplicadas 305 milhões de doses das vacinas e que o perfil de segurança encontrado nos estudos clínicos não foi alterado. “Não há indicação ou dados que apontem um aumento na ocorrência de abortos como resultado de reações a vacinas”, diz a nota.

Um estudo conduzido pelo Centro de Controle de Doenças (CDC) juntamente com nove sistemas de saúde dos Estados Unidos monitorou os casos de abortos espontâneos em gestantes vacinadas entre 15 de dezembro de 2020 e 28 de junho de 2021. Os resultados, publicados no Journal of the American Medical Association, mostram que não houve diferença estatisticamente relevante entre vacinadas e não-vacinadas.

As grávidas fazem parte do grupo que pode sofrer complicações mais graves da covid-19. A doença está associada a um número maior de mortalidade materna e risco de óbito fetal. Por isso, é importante que todas as gestantes se vacinem. O imunizante recomendado é o da Pfizer, em duas doses. “Relatórios do Ministério da Saúde mostram que as gestantes tomam a primeira dose, mas não retornam para a segunda, pois acreditam nas fake news que são disseminadas”, alerta a ginecologista da Febrasgo.

Empresas aéreas negam incidentes com AVC
A médica diz que “pilotos vacinados estão tendo AVCs” e que a malha aérea, militar e comercial, estaria “em risco”. A ABEAR informou que não existe nenhum registro de casos de AVC vinculados à vacina entre as associadas. Dentre elas, algumas das maiores companhias brasileiras como a Latam e a Gol. Em outubro, a associação já havia informado que todas as suas associadas tornarão obrigatória a vacinação contra a covid-19 de todos os seus funcionários até o final do ano.

Também procuramos a Anac, responsável por supervisionar a atividade de aviação civil no país. A agência afirmou que “desconhece tais informações”. Em março deste ano, a agência emitiu um comunicado aos médicos examinadores e serviços médicos de operadores aéreos recomendando o afastamento por 48 horas de pilotos que tenham sido vacinados contra a covid-19.

Na ocasião, afirmava que a orientação visava garantir a segurança das operações por conta de possíveis reações adversas, sem se referir ao AVC. “Embora a grande maioria dos efeitos colaterais relatados sejam leves e não coloquem em questionamento a segurança das vacinas aprovadas, eles podem ser potencializados em condições de voo, com ambiente hipóxico e hipobárico”.

Agora, ao ser procurada pelo Comprova, a Anac afirmou que o Ministério da Saúde é o órgão responsável pela emissão de recomendações médicas relacionadas à covid-19 para todos os setores e orientou que a reportagem o procurasse. 

Já Anvisa lembrou que a ocorrência de trombose é um evento adverso extremamente raro das vacinas de Adenovírus (Janssen e AstraZeneca) e que foi incluído na bula de ambos os imunizantes. Os eventos adversos mais comuns após a vacinação continuam sendo dor no local da aplicação, dor de cabeça e febre.

O órgão ressaltou que o AVC pode ter diversas causas e que “somente uma investigação de um caso concreto poderia apontá-las”.

A aplicação da vacina em pilotos é recomendada pelo Ministério da Saúde. Os trabalhadores do transporte aéreo foram classificados como grupo prioritário pelo Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a covid-19. São considerados tanto os funcionários de companhias aéreas quanto de aeroportos.

Em nota, o ministério informou que monitora a segurança e a efetividades de todas as vacinas incorporadas ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). “A pasta ressalta que, até o momento, não foi identificada relação de causalidade entre a imunização contra a covid-19 e os casos citados”, diz.

Em junho deste ano, o Estadão Verifica já informou ser seguro para os imunizados contra a covid-19 viajarem de avião, ao contrário do que dizia um site antivacina. Na ocasião, afirmava-se falsamente que os vacinados poderiam desenvolver trombose, o que também foi negado pela Lupa.

Hidrólise alcalina é adotada nos Estados Unidos como alternativa ecológica
A adoção do método de dissolver corpos nos Estados Unidos é anterior à pandemia e não tem nada a ver com a vacinação contra a covid-19, como defende o discurso da médica aqui verificado.

Trata-se, na verdade, de um debate ecológico, como explica detalhadamente uma reportagem do Huffpost, apontando que a cremação, que libera carbono, é atualmente a prática mais popular de atendimento ao óbito no país, seguida do sepultamento, que muitas vezes utiliza embalsamento e tecido sintético. Ambos os processos envolvem matérias-primas e têm efeitos colaterais potencialmente perigosos ao meio-ambiente.

Em 2017, portanto antes da pandemia, a BBC esteve em uma funerária norte-americana em Minnesota que já realizava o processo. Na ocasião, um dos diretores, Jason Bradshaw, explicou que o método se trata da reprodução da decomposição natural pela qual o corpo passa quando é enterrado, mas de forma muito mais rápida.

Conforme ele, uma máquina pesa o corpo e calcula o quanto de água e hidróxido de potássio deve adicionar. A solução alcalina, com um pH de 14, é aquecida a 150 °C. O que leva décadas em um sepultamento, ocorre em 90 minutos no laboratório.

O Comprova identificou que alguns estados americanos aprovaram a hidrólise alcalina bem antes da pandemia do novo coronavírus, tanto por legislação própria quanto por modificações do significado do termo cremação em leis já existentes.

Em 2011, portanto oito anos antes do primeiro caso de infecção por covid-19 ser registrado no mundo, uma reportagem da NBC News já apresentava a discussão e afirmava que estados norte-americanos estavam considerando a legalidade de dissolver corpos, sendo que os proponentes defendiam os custos operacionais mais baixos e o fato de ser uma forma mais ecológica de descarte do que a cremação tradicional.

À época, o estado de Ohio, por exemplo, já permitia a utilização da hidrólise alcalina e a maior parte dos estados alterava a definição de cremação em suas legislações.

Mudanças mais recentes ocorreram na Califórnia, mas ainda antes da pandemia. Em 2017, o estado alterou a Seção 7611.9 do Código de Negócios e Profissões, pela Lei AB-967, que trata da eliminação de restos mortais por hidrólise alcalina. Com a alteração, passou a identificar que um “eliminador de restos mortais cremados” é uma pessoa que, por sua própria conta ou de outrem, dispõe, ou se oferece para descartar restos mortais humanos cremados ou hidrolisados, espalhando-os sobre a terra ou no mar.

A legislação entrou em vigor em 1º de julho de 2020, porém foi sancionada pelo governador do estado em 15 de outubro de 2017, quando já estava prevista a data em que passaria a vigorar.

| Captura de imagem da Lei AB-967, que trata da eliminação de restos mortais por hidrólise alcalina na Califórnia. Fonte.

Componentes das vacinas são seguros
A médica diz que a vacinação supostamente levaria a um aumento nos casos de demência. O Comprova já mostrou ser falsa a relação entre vacinas e a manifestação de demências como a doença de Alzheimer. A alegação é de que a causa seria o alumínio presente nos imunizantes, mas eles são usados em vacinas, desde 1930, para aumentar a resposta imunogênica. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, explica que a quantidade de alumínio presente nos imunizantes é segura.

Além disso, a Alzheimer’s Society, organização que atua em pesquisa e cuidado a pessoas com demência no Reino Unido, informa em seu site que “até o momento, nenhum estudo ou grupo de estudos confirmou que o alumínio esteja relacionado com o desenvolvimento da doença de Alzheimer”.

Vacinas contra a covid não possuem grafeno
A médica cita duas alegações amplamente desmentidas por agências de checagem e especialistas na área da saúde: de que as vacinas conteriam grafeno em sua fórmula e que teriam o efeito de magnetizar o corpo humano. Ambas as falas são falsas.

O Comprova mostrou, no começo de novembro, que o grafeno é uma das formas do carbono. Ele é estudado como adjuvante de algumas vacinas — utilizado para aumentar a resposta imunogênica — mas não foi utilizado em nenhuma das vacinas contra a covid-19 atualmente utilizadas no país. Em nota, a Anvisa disse que “a regulamentação de produtos estéreis é bastante rigorosa em relação à presença de impurezas, inclusive aquelas que possam ser resultantes do processo de produção de medicamentos e vacinas”.

Já a alegação de que as vacinas estariam deixando as pessoas magnetizadas apareceu depois que circularam vídeos nas redes sociais de pessoas com moedas “grudando” no braço. Mas dois professores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) mostraram que é possível obter o mesmo resultado apenas umedecendo o braço.

Vacinas não possuem células de fetos abortados
O polissorbato é um componente químico utilizado como solvente na indústria alimentícia e farmacêutica. Ele é utilizado para transformar todos os ingredientes da vacina em uma substância homogênea. O Comprova já explicou ser falso que fetos precisem ser abortados para que as vacinas sejam produzidas ou que os imunizantes contenham células dos fetos em sua composição.

A confusão ocorre por causa da produção da tecnologia empregada na vacina de Oxford-AstraZeneca, produzida no Brasil pela Fiocruz. Ela funciona por meio de um vetor adenovírus recombinante. Em outras palavras, os pesquisadores pegaram o vírus que causa gripe em chimpanzés, inofensivo para o corpo humano, e o alteraram geneticamente para que ele passasse a ter características do coronavírus. Ao ser injetado no corpo, as células de defesa do sistema imunológico vão aprender a identificar essas características e atacá-las. Assim, quando o corpo for infectado pelo coronavírus em uma infecção natural, ele já saberá como se defender.

Os adenovírus precisam se replicar em células mantidas em laboratório. Essas células são da linhagem HEK-293. Sua origem vem, sim, de um feto abortado legalmente na Holanda nos anos de 1970. Mas desde então, elas se multiplicam por meio de um mecanismo natural e é por isso que novos fetos não precisam ser abortados.

As cópias dessas células é que são utilizadas pela indústria e servem como “pequenas fábricas” para que os vírus atenuados possam se multiplicar. As células não entram na composição final do imunizante, apenas os adenovírus que se reproduziram nelas.

Fiocruz mantém sigilo em diversos contratos, não apenas com a AstraZeneca
O Comprova procurou a Fiocruz questionando se a fundação comprou – ou pretende comprar – um cofre de R$ 130 mil para guardar os contratos com a AstraZeneca, como afirma o conteúdo verificado, dando a entender que a fundação estaria tentando esconder informações relacionadas ao composto da vacina.

Em nota, a assessoria de comunicação informou que a afirmação feita no vídeo não está correta e acrescentou que a Bio-Manguinhos, unidade de tecnologia em imunobiológicos, está sim desenvolvendo um projeto, com prazo de 24 meses, para organizar uma estrutura de trabalho que atenda a evolução da legislação de acesso à informação, mas que o objetivo é a preservação do sigilo de mais de 20 contratos de transferência de tecnologia, não apenas do documento firmado para produção da vacina contra a covid-19. Todos eles, acrescenta, possuem cláusulas de sigilo, e há também outros documentos na mesma situação.

Conforme a Fiocruz, a estrutura será organizada no Centro Administrativo Vinicius Fonseca, prédio administrativo de Bio-Manguinhos no Rio de Janeiro, e inclui a compra de um cofre, sistemas de segurança e insumos, além da contratação de pessoal e outros serviços. Os valores do projeto são estimativos e todas as aquisições serão realizadas por licitação, incluindo a do cofre – que não precisa ser importado, mas sim atender às especificações e ter o menor preço. Os valores finais, destaca a fundação, dependerão dos custos com pessoal e dos processos licitatórios ainda não realizados.

Em relação à classificação de sigilo, o órgão explicou que vem acompanhando a legislação em vigor que trata do tema, em decorrência do aumento do fluxo de informações na administração pública, registradas em meio físico ou digital, abertas ou sensíveis. Neste sentido, as unidades da fundação estão adotando procedimentos padronizados e uniformes no que diz respeito à normatização das atividades de classificação e desclassificação de informações de acordo com a Lei de Acesso à Informação (12.527/2011). A Fiocruz diz que também orienta sobre o tratamento de informações classificadas segundo outras hipóteses legais, como as da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (13.709/2018), também relacionadas aos acordos de Transferência de Tecnologia como o firmado entre a Fiocruz e AstraZeneca.

A adoção dessas medidas, contudo, não se dá apenas em relação à AstraZeneca, explica a fundação, informando que somente no caso específico de Bio-Manguinhos, todos os contratos de transferência de tecnologia com parceiros para a internalização da produção de vacinas, kits para diagnóstico e biofármacos possuem cláusulas de sigilo.

“O compromisso no recebimento das tecnologias repassadas para Bio-Manguinhos/Fiocruz, via de regra, fica condicionado à manutenção do sigilo e confidencialidade das mesmas, dado o seu valor comercial para os parceiros que investiram inicialmente no desenvolvimento destes produtos e continuam a fornecê-los para o mercado privado”, diz a nota, afirmando que a estrutura que se pretende construir irá colaborar com a proteção de informações e de dados institucionais e pessoais relacionados a pesquisas e estudos clínicos, contratos, patentes e dados de pacientes.

A autora do post
Maria Emilia Gadelha Serra é médica otorrinolaringologista, com registro nº 63.451 no Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp). Em seu perfil no Instagram, ela se apresenta como presidente da Sociedade Brasileira de Ozonioterapia Médica. A prática é contestada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), que em Resolução de 2018 a definiu como “procedimento de caráter experimental, cuja aplicação clínica não está liberada, devendo ocorrer apenas no ambiente de estudos científicos”.

Em seu Instagram, Serra tira de contexto dados sobre efeitos adversos de vacinas e faz postagens contrárias a uma eventual obrigatoriedade dos imunizantes. Ela afirma já ter sofrido sanções da rede social por conta de seus posts espalhando desinformação.

Procurada pelo Comprova, ela não se manifestou até a publicação desta reportagem.

O vídeo foi gravado durante o 2° Congresso Conservador Liberdade e Democracia, realizado, em 14 de novembro, em São José, na Região Metropolitana de Florianópolis. O evento contou com políticos e jornalistas alinhados ao governo federal, bem como ativistas antivacina e defensores de tratamentos comprovadamente ineficazes contra a covid-19.

Por que investigamos?
Em sua quarta fase, o Comprova checa conteúdos enganosos sobre eleições, governo federal ou sobre a pandemia que tenham atingido alto grau de viralização. O conteúdo verificado foi sugerido por leitores do Comprova via WhatsApp, onde o vídeo circula. Sugestões como esta podem ser encaminhadas pelo número (11) 97045-4984, ou clicando neste link.

As alegações contidas neste vídeo também foram checadas pela Lupa e por Fato ou Fake.

Conteúdos falsos sobre a pandemia possuem grande apelo porque se aproveitam de dúvidas e receios da população. Eles são danosos porque tiram a confiança das pessoas nas instituições sanitárias e podem induzir comportamentos nocivos, como não se vacinar. A imunização com vacinas aprovadas por órgãos regulatórios é a principal estratégia disponível para conter novas infecções, hospitalizações e mortes.

O Comprova já mostrou ser falso que a vacina da Pfizer contenha ‘partículas contaminantes’. Também não é verdade que o número de pessoas infartadas em Israel tenha aumentado após a vacinação.

Falso, para o Comprova, é conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

*Esta checagem foi postada originalmente pelo Projeto Comprova, uma coalizão formada por 33 veículos de mídia, incluindo o CORREIO, a fim de identificar e enfraquecer as sofisticadas técnicas de manipulação e disseminação de conteúdo enganoso que surgem em sites, aplicativos de mensagens e redes sociais. Esta investigação foi conduzida por jornalistas do Estadão e Correio de Carajás, e validada, através do processo de crosscheck, por três veículos: Folha de S.Paulo, A Gazeta e Jornal do Commércio.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas