Avó de Michelle Bolsonaro morre vítima da covid-19 em hospital no DF

coronavírus
12.08.2020, 09:45:37
Atualizado: 12.08.2020, 10:53:15
(Foto: Reprodução)

Avó de Michelle Bolsonaro morre vítima da covid-19 em hospital no DF

Maria Aparecida chegou a ter 78% do pulmão comprometido

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Morreu nesta quarta-feira (12) a avó materna da primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro. Maria Aparecida Firmo Ferreira, de 81 anos, foi vítima da covid-19. Ela estava internada na enfermaria do Hospital Regional de Ceilândia (HRC).

“Deus resolveu levar minha mãezinha, não consigo acreditar. Ela lutou tanto, mostrou tanta força, mas não resistiu. Estamos todos muito abalados”, disse ao Metrópoles Maria de Fátima Ferreira, filha da vítima e tia da primeira-dama.

Na semana passada, a idosa tinha chegado a deixar a unidade de terapia intensiva do hospital onde estava internada em Brasília com um quadro clínico considerado estável, voltando para o HRC, onde já havia estado antes -  estava hospitalizada desde 1º de julho.

Maria Aparecida manteve as dificuldades respiratórias – ela chegou a ter 78% da capacidade pulmonar comprometida, segundo o Metrópoles – e fez uso de máscaras de oxigênio como forma de dar mais conforto durante o tratamento contra o coronavírus. Ela também manteve a alimentação enteral, por meio de sondas durante todo o tratamento.

A Secretaria de Saúde do DF confirmou que a morte ocorreu durante a madrugada, mas não confirmou a causa da morte. O Palácio do Planalto até o momento não comentou o caso, assim como a primeira-dama.

Internação
Segundo o prontuário médico, Maria Aparecida foi encontrada por populares após passar mal caída na rua no dia 1º de julho na Ceilândia, onde vivia. Com falta de ar, ela foi socorrida por um vizinho ao Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), unidade que tinha vagas de UTI naquele dia. O local fica a 32 km de distância de onde a idosa morava.

Ela ficou na UTI durante toda internação no HRSM. Tinha instabilidade no quadro clínico, com registro de melhora por duas vezes.

O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF), que administra o HRSM informou que a idosa havia sido transferida para o Hospital Regional de Ceilândia. Na última segunda (3), deixou a intubação e respirava com ajuda de máscara de oxigênio.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas