Bahia contrata laudos próprios para apurar denúncia de racismo

e.c. bahia
23.12.2020, 16:47:30
Atualizado: 23.12.2020, 17:17:58
Laudo aponta discussão entre Ramírez e Bruno Henrique (Reprodução)

Bahia contrata laudos próprios para apurar denúncia de racismo

Tricolor disse não ter recebido perícia feita pelo Flamengo que aponta injúria

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Bahia informou que contratou laudos próprios para averiguar a denúncia de injúria racial contra o meia Indio Ramírez. Ele é acusado pelo meia do Flamengo, Gérson. Por enquanto, o atleta colombiano do tricolor está afastado do elenco.

Na noite da última terça-feira (22), o Flamengo divulgou que obteve um laudo, realizado por leitura labial, averiguando que Ramírez ofendeu o atacante Bruno Henrique, do time carioca, minutos após a discussão colombiano com Gérson.

Segundo o laudo do Flamengo, Ramírez teria dito "fala muito, seu negro" para Bruno Henrique. O Bahia se posicionou logo após a divulgação por parte do time carioca, dizendo não ter recebido nenhum laudo produzido sobre o tema.

O Bahia disse ainda que contratou laudos próprios "para fundamentar a sua decisão, que será firme e corajosa, fazendo jus ao trabalho de combate a todas as formas de preconceito realizado há três anos pelo clube".

No mesmo vídeo exibido pelo Flamengo, é possível identificar que Bruno Henrique chamou Ramírez de "gringo de merda". Sendo assim, o Bahia lamentou que o jogo tenha transcorrido com tamanha violência, tendo insultos de ambos os lados.

Em entrevista à Rádio Salvador FM nesta quarta-feira (23), o vice-presidente do Bahia, Vitor Ferraz, falou sobre os laudos: "A gente não teve acesso (ao laudo do Flamengo), apenas pela mídia. Mais uma vez, isso precisa ser tratado com cautela. Entender qual foi o método utilizado para se chegar a essa conclusão, quem foram os profissionais que trabalharam nesse entendimento e dar também a oportunidade do atleta à ampla defesa e ao contraditório".

"Agora, gera uma estranheza o fato de que não foi detectada qualquer imagem que indique a ocorrência do fato originário e agora se busque um segundo fato. Isso precisa ser analisado com muita cautela", completou Vitor Ferraz em entrevista à Salvador FM.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas