Bahia é clube que mais pagou multa por quebrar protocolo de saúde

e.c. bahia
03.12.2020, 17:00:00
Atualizado: 03.12.2020, 17:09:09
Troca de camisas durante os jogos é principal causa de infrações no tricolor (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Bahia é clube que mais pagou multa por quebrar protocolo de saúde

Entre as infrações estão troca de camisas e não uso de máscaras

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A quebra do protocolo de saúde determinado pela CBF durante os jogos do Campeonato Brasileiro tem custado caro ao Bahia. De acordo com o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), o tricolor foi o clube com mais denúncias por infração desde o início da Série A.

Ao todo, o Esquadrão foi denunciado ao STJD quatro vezes. Entre as irregularidades cometidas estão a troca de camisas entre os jogadores e o não uso de máscaras pelos atletas que ficam no banco de reservas, quebrando o que é determinado nas regras de saúde para a realização dos jogos durante a pandemia do novo coronavírus.

Como órgão disciplinar decidiu converter as infrações em multa, o Bahia é até aqui o time que mais gastou por conta das irregularidades. Cada punição teve o custo de R$ 2,5 mil, totalizado R$ 10 mil de prejuízo para os cofres da equipe.

De acordo com o STJD, R$ 118 mil já foram arrecadados com as multas em todas as divisões. Além do Bahia, aparecem entre os times mais infratores:  Athletico-PR (R$ 9 mil), Internacional (R$ 8 mil) e Flamengo, Grêmio, Vasco e Bragantino (R$ 7,5 mil cada). O dinheiro recolhido será doado para instituições de caridade.

Na semana passada, o Bahia foi julgado por infração acontecida no jogo contra o Athletico-PR, pelo primeiro turno, na Arena da Baixada. O time baiano foi punido após o atacante Clayson ser flagrado sem máscara e por ter ofendido o juiz da partida. Além da multa aplicada ao Esquadrão, Clayson pegou um jogo de suspensão e não poderá atuar contra o Ceará neste sábado (5), na Fonte Nova. 

Confira os casos em que o Bahia foi denunciado:

Bahia x Flamengo (02/09) – Bahia: troca de camisas entre atletas após o fim do jogo. Contrariando o que determina o artigo 9, item D. TRANSAÇÃO DISCIPLINAR HOMOLOGADA EM 10/11 – R$2,5 MIL.

Bahia x Grêmio (09/09) – Bahia: Após o final da partida, os atletas das duas equipes trocaram camisas, contrariando o que determina o art. 9, item D, da Diretriz Técnica Operacional. TRANSAÇÃO DISCIPLINAR HOMOLOGADA EM 10/11 – R$ 2,5 MIL

Corinthians x Bahia – (16/09) - Bahia Art. 191 II e III 2x troca de camisa / Descumprimento do distanciamento mínimo. TRANSAÇÃO DISCIPLINAR HOMOLOGADA EM 12/11 – R$ 2,5 MIL

Athletico/PR x Bahia - (26/09) - Bahia - Art. 191 II;III (não utilização de máscara e troca de camisa). TRANSAÇÃO DISCIPLINAR HOMOLOGADA EM 19/11 – R$ 2,5 MIL

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas