Bahia perde mais de 3 mil leitos hospitalares em dez anos

satélite
21.10.2018, 05:00:00

Bahia perde mais de 3 mil leitos hospitalares em dez anos

por Luan Santos

A Bahia perdeu 3.096 leitos hospitalares do Sistema Único de Saúde (SUS) nos  últimos dez anos. Pesquisa realizada pela Confederação Nacional dos Municípios  aponta que, em 2008, o estado contava com 26.255 leitos, número que caiu para  23.159 este ano, o que representa queda de 11,7%. Em média, foram 25 camas para internação de pacientes desativadas no estado. A redução na Bahia foi o dobro da  registrada no Brasil. Em todo o país, a diminuição foi de 5% – saiu de 460.656 leitos  para 437.565. Apenas quatro estados (Rondônia, Amazonas, Pará e Rio Grande do Sul) registraram aumento no número de leitos ao longo destes dez anos, enquanto os demais tiveram redução. 

Inferior
O estado tem taxa de leitos inferior em relação à recomendação do Ministério da Saúde, que é entre 2,5 e 3 leitos para cada mil habitantes. Na Bahia, levando em consideração também as camas disponíveis no setor privado, a taxa é de 1,91, a terceira pior entre na região Nordeste.

Entre os maiores
Entre os estados nordestinos, a Bahia foi o terceiro que mais perdeu leitos hospitalares, atrás de Sergipe (29,39%) e Paraíba (17,72%). Em toda a região, a redução foi de 11%, saindo de 104.755 leitos para 93.238. Em todo o Brasil, que mais perdeu foi o Rio de Janeiro, com redução de 33%, seguido por Sergipe, Goiás (19,24%) e Minas Gerais (17,89%). A Bahia registrou a oitava maior diminuição entre os estados. No país, as especialidades mais afetadas foram leitos pediátricos e obstétricos, que apresentaram redução mais acentuada ao longo do período analisado, com queda de 22,32% e 13,81%, respectivamente. 

Fusão
Partidos nanicos barrados pela cláusula de barreira estudam uma fusão entre duas ou mais legendas para continuarem recebendo recursos do fundo partidário. Líderes baianos afirmaram que as conversas já começaram e devem se intensificar após o segundo turno. É o caso do PPL do deputado federal Uldurico Júnior e o PRP do deputado estadual Jurandy Oliveira. Ambos contaram que não querem trocar de partido, mas defendem a fusão com outras siglas como alternativa para continuar. 

Arrocho
Líderes da base governista na Bahia acreditam que o governador Rui Costa (PT) terá  dificuldade para fechar as contas deste ano. Tanto a Assembleia Legislativa quanto o  Tribunal de Justiça devem pedir suplementação orçamentária, enquanto os prefeitos,  que têm sofrido com a queda de receitas federais, pressionam pelo pagamento de repasses atrasados do governo, a exemplo do pagamento para o transporte escolar. 

Na berlinda
Trinta e um candidatos a deputado estadual e federal baianos concorreram nas eleições deste ano com recursos concedidos pela Justiça Eleitoral. Eles apresentaram alguma irregularidade no registro de candidatura, mas conseguiram decisões liminares e reverteram a situação. 

"Escrever uma Constituição não é todo dia. Você  não pode fazer um texto ao sabor de quem está no poder, senão cada presidente gostaria de ter uma Constituição a seu bel-prazer, como tem aqui nos nossos vizinhos. O Brasil tem uma constituição que é produto do povo", Bernardo Cabral, relator-geral da Assembleia Constituinte, responsável por analisar 42 mil das 61 mil emendas recebidas, em entrevista à TV Senado, ao criticar propostas de nova constituinte. Contudo, ele é a favor de mudanças como retirar do texto as medidas provisórias, mecanismo do sistema parlamentarista que acabou ficando no texto presidencialista

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas