Bahia solicita imagens de jogo para apurar caso de injúria racial

e.c. bahia
21.12.2020, 14:37:00
Atualizado: 21.12.2020, 14:38:07
Tricolor vai apurar suposto crime de injúria racial cometido por Ramírez contra o volante Gerson (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

Bahia solicita imagens de jogo para apurar caso de injúria racial

Acusado pelo meia Gerson, colombiano Ramírez foi afastado das atividades

A acusação de injúria racial feita pelo volante Gerson, do Flamengo, contra o meia colombiano Juan Pablo Ramírez, do Bahia, vai ganhar novos capítulos no tricolor nos próximos dias.

Em processo de apuração interna sobre o que aconteceu durante a partida com o clube carioca, no último domingo (20), no Maracanã, o Bahia solicitou à Globo e à CBF as imagens do jogo. O clube quer analisar as cenas para tentar confirmar se o caso de racismo de fato aconteceu.

De acordo com o site Globo Esporte, os ofícios para Globo e CBF foram enviados pela direção do Bahia nesta segunda-feira (21). Em nota, o Bahia explicou que Ramírez negou a acusação de forma veemente. O colombiano foi afastado das atividades até que investigação seja concluída.

Além do processo interno do Bahia, uma outra investigação vai acontecer no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). A entidade vai analisar as imagens e súmula da partida para decidir como vai proceder no caso.

Na súmula do jogo, o árbitro Flávio Rodrigues de Souza explicou que não presenciou o possível ato de racismo descrito por Gerson.

"Aos 7 minutos do segundo tempo houve um conflito entre os jogadores sr. Gerson Santos da Silva, de número 8 da equipe do flamengo e do atleta da equipe do Bahia de número 15 sr. Juan Pablo Ramírez Velasquez, onde o jogador do flamengo alega ter sido chamado de "negro" por seu adversário mencionado. Informo que este suposto ato não foi percebido por nenhum membro da equipe de arbitragem no campo de jogo", diz o árbitro no documento.

A confusão entre Gerson e Ramírez aconteceu aos 25 minutos do segundo tempo e se estendeu até o técnico Mano Menezes, que estava na beira do campo. Ao fim do jogo, Gerson explicou que o meia do Bahia teria falado a seguinte frase: "cala a boca, negro".

"Quando a gente tomou o segundo gol, o Bruno (Henrique) fingiu que ia chutar a bola e o Ramírez reclamou com ele. Eu fui falar com ele (Ramírez) e ele falou bem assim pra mim: 'cala a boca, negro'. Eu nunca falei nada disso porque nunca sofri esse tipo de preconceito, mas isso aí eu não aceito", disse o meia do Flamengo.  

Ainda na entrevista, Gérson disse que o técnico Mano Menezes não teve uma reação adequada à acusação de racismo por parte de um jogador seu: "Eu nunca falei nada de treinador na imprensa, mas Mano tem que saber respeitar. Tô vindo aqui para falar em nome de todos os negros do Brasil. Ele falou pra mim 'agora você é vítima, né? Quando Daniel Alves te atropelou você não fez nada'. Claro, porque teve um respeito entre mim (Gérson) e ele (Daniel)", disse o meia, referindo-se a um episódio passado com o meia do São Paulo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas