Bahia tem 1º recém-nascido com anticorpos contra a covid-19

salvador
26.05.2021, 11:37:00
Atualizado: 26.05.2021, 12:25:36
(Foto: Divulgação/Sesab)

Bahia tem 1º recém-nascido com anticorpos contra a covid-19

Bebê nasceu em Salvador na última sexta; teste do Lacen registrou presença de anticorpos

O primeiro recém-nascido baiano com anticorpos contra a covid-19 nasceu na última sexta-feira (21), em Salvador, após a mãe ser imunizada com as duas doses da vacina. A mãe, que é médica obstetra, recebeu a primeira dose da vacina Oxford AstraZeneca em 4 de fevereiro e a segunda dose em 5 de maio, dezesseis dias antes do parto.

A diretora da Vigilância Epidemiológica do Estado, Márcia São Pedro, explica que o teste foi realizado com amostras de sangue da mãe e da criança, coletadas e processadas dois dias após o nascimento pelo Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen-BA).

“Embora não haja protocolos definidos pelo Ministério da Saúde para avaliação de recém-nascidos, consideramos que este é um importante passo no monitoramento dos casos e para novas discussões sobre vacinação de gestantes”, avalia a diretora.

A presença de anticorpos na mãe, Patrícia Marques, e no recém-nascido, Mateus, foi confirmada por teste de sorologia no Lacen-BA, que implantou a metodologia para a quantificação de anticorpos para a Covid-19 recentemente. O recém-nascido será acompanhado e passará por exames regulares para avaliar a duração da presença de anticorpos.

Patrícia conta que trabalha com obstetrícia na Maternidade Climério de Oliveira. Mesmo diante dos riscos de contaminação, ao engravidar, em meio a pandemia, não pôde deixar de trabalhar. "Continuei nos consultórios e na parte da obstetrícia. Mantinha uma carga horária presencial, então conversei com minha obstetra, que estava me acompanhando, e a gente entrou em um acordo. Por eu estar exposta ainda ao risco da doença, poderia ser bem pior do que o risco de tomar a vacina. Em comum acordo a gente decidiu que eu tomaria a vacina", conta.

Quando chegou a hora de ser vacinada na categoria dos profissionais de saúde, ela conta que só tinha disponibilidade da vacina de Oxford, a AstraZeneca. A primeira dose foi em fevereiro e a segunda no dia 5 de maio. "Não tive nenhuma reação em nenhuma das duas doses. Meu filho nasceu dia 21 de maio. Resolvi fazer o teste pra gente ver e, pra nossa surpresa e felicidade, nós dois estamos imunes".

Mesmo após a imunização, Patrícia Marques ressalta: “teremos que manter o acompanhamento e a proteção, ainda sem deixar o uso de máscara, o distanciamento, pois é o que vai manter o controle dessa pandemia”, pontua a médica e mãe do Mateus. “Este é mais um exemplo da eficácia da vacina, que conseguiu transferir a memória imunológica de longo prazo (IgG) da mãe para o bebê”, afirma o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas