Baiano cria dívida para poder comer

coronavírus
24.12.2020, 05:30:00
Atualizado: 24.12.2020, 10:18:37
Marilene diz que o mercado do mês subiu de R$ 600 para R$ 900, mesmo desistindo de alguns produtos. ‘Estou devendo e peguei emprestado com meu genro’ (Tiago Caldas)

Baiano cria dívida para poder comer

Pesquisa aponta que gastos com produtos básicos cresceram durante a pandemia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O mercado de mês que custava cerca de R$ 600 antes da pandemia, agora sai por R$ 900 e ainda é preciso deixar alguns produtos para trás. Esse foi o resultado do aumento do preço dos alimentos na carteira da empregada doméstica Marilene Ramos, 50 anos, que trabalha e mora em Salvador. Com mais gastos para se manter e o dinheiro apertado, o resultado foi uma série de dívidas. O problema é nacional, como aponta pesquisa feita pela Serasa em parceria com a Blend New Reserch para traçar o perfil do endividamento no Brasil. O estudo mostra que, durante período da pandemia, as despesas do dia a dia, como a compra de comida, cresceram e passaram a figurar como o terceiro maior motivo de endividadmento do consumidor, com 11%. Em primeiro e em segundo estão desemprego, 40%, e descontrole financeiro, 14%. 

“Meu gasto é mais com comida mesmo, para minha família de 4 pessoas. Aquilo de faltar uma coisa em casa e ter que ir comprar. Com isso, já estou devendo R$ 447 e ainda peguei dinheiro emprestado com meu genro", conta Marilene. E a raiz do problema está mesmo na pandemia. O levantamento aponta que 73% das pessoas declararam que o coronavírus impactou a vida financeira. Dos ouvidos, 40% mantiveram as dificuldades já existentes para pagar as contas, outros 26% acreditam que terão dificuldades em manter o pagamento das contas após a crise.

Desde 2018, o desemprego se mantém como o maior fator de endividamento, segundo a pesquisa. Naquele ano, a falta de emprego foi responsável por 49% das dívidas. Desde 2019, o desemprego é responsabilizado por 40% do passivo. A desorganização financeira ocupa o segundo lugar do ranking desde 2018. Passando de 20% dos motivos para endividamento, há 2 anos, para 21%, em 2019, até chegar a 14%, em 2020. A grande mudança é realmente o impacto das despesas básicas na geração de dívidas, que, em 2018, representavam apenas 5% dos motivos para endividamento e nem apareceram no ranking dos principais motivos de endividamento de 2019. 

O economista e educador financeiro Edval Landulfo argumenta que o endividamento é relativo à renda das pessoas. Em meio à pandemia, houve a queda ou a perda de renda gerando dívidas.Dois cenários são descritos por ele para explicar: o de redução ou a perda da renda, e o de ganho de rendimentos ao receber o auxílio emergencial. As famílias que perderam seus rendimentos e estão se mantendo com o benefício do Estado passam dificuldades para fazer as contas caberem no novo orçamento. “Quando pensamos nas pessoas que possuíam uma renda mais alta e passaram a receber menos, se inicia um processo de definir o que priorizar. Com a segunda onda, essas pessoas devem continuar com dificuldades. Ao receber o auxílio, esse valor é usado para alimentação e as dívidas ficam para a frente”, observa.

Por outro lado, existem as pessoas que não possuíam renda e passaram a receber o auxílio emergencial, isso pressionou o mercado, que não estava preparado para receber esses novos consumidores. A consequência, aponta Landulfo, é a dificuldade em encontrar certos produtos e o aumento da inflação. "Essas pessoas que passaram a ter mais renda (via auxílio), começaram a comer melhor e comprar produtos que não compravam antes. Além disso, a entressafra, o aumento da exportação pela desvalorização do real (frente ao dólar) e a cotação em moeda americana dos produtos, faz com que mercadorias faltem no mercado interno e tenham um preço mais alto. É a questão da oferta e da demanda. Nesses casos, as famílias de baixa renda sempre sentem mais impacto, especialmente, nos itens básicos”, analisa. 

Dos ouvidos pela pesquisa, 42% receberam o auxílio emergencial e 27% fizeram o pedido, mas não tiveram o benefício recebido. Entre aqueles que receberam o auxílio, 64% usaram ou pretendem usar o valor para despesas domésticas. Já 39% usaram o recurso ou pretendem usar para quitar dívidas, mesmo que apenas parcialmente.

Alta dos alimentos
Independente do cenário analisado, o fato é que o consumidor tem sentido o encarecimento dos alimentos no bolso. A presidente do Movimento de Donas de Casa e Consumidores da Bahia, Selma Magnavita, afirma que os preços só têm crescido desde o começo da pandemia. Ela calcula que, em média, houve um aumento de mais de 22% nas despesas no orçamento doméstico. “Os aumentos no preço dos alimentos, energia e telefonia foram bastante significativos para o orçamento previsto para 2020. O orçamento foi furado e vejo muitas pessoas tendo que atrasar pagamentos”, relata.

A aposentada Itaitara Magalhães, 70, diz que alguns produtos estão com valores “assombrosos”. O creme de ricota que sempre ia para o carrinho passou de R$ 4,49 para R$ 5,89 e foi excluído da lista de compras. Com os preços altos, com frequência, ela escolhe alguns produtos, mas acaba desistindo no caixa ao ver o valor da compra. “Eu percebo que acabo levando só 2/3 dos que coloco no carrinho, o resto vai sendo deixado no caixa para não ficar com um valor muito alto. Eu sempre me pergunto se a compra é necessária, inadiável e insubstituível", conta, "É assustador e o consumidor sofre demais com o preço e a qualidade das coisas. Acredito que as grandes redes colocam o preço mais caro porque vou no mercadinho aqui de Brotas e percebo uma diferença considerável entre os dois”, completa.  

Segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do IBGE, que mede a inflação oficial do Brasil, em Salvador e Região Metropolitana, a alimentação em domicílio registrou a maior alta no acumulado de janeiro a novembro deste ano entre todos os itens que compõem o cálculo do custo de vida, atingindo 17,42%. Em segundo lugar está o acesso à internet, 12,18%, seguido do gás de cozinha, 10,58%, energia elétrica residencial, 5,13%, e plano de telefonia fixa, 4,12%.

A Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), que utiliza outra metodologia, aponta que, em novembro, a compra dos produtos da cesta básica, por uma adulta, consumiria 50,5% do salário mínimo líquido. No mês passado, a cesta saiu por R$ 488,1 em Salvador. A variação mensal da cesta (entre novembro e outubro) na capital baiana foi de 7,39%, e a anual 35,39% (novembro de 19 frente ao mesmo mês deste ano). Para comprar o conjunto de produtos na cidade, o empregado que recebe um salário minimo tem de trabalhar, em média, 102 horas e 46 minutos.

Sete produtos da cesta básica registraram alta de preço médio em relação a outubro, segundo a pesquisa do Dieese: tomate (44,30%), óleo de soja (9,80%), manteiga (6,80%), arroz agulhinha (6,48%), carne bovina (2,30%), pão francês (0,98%) e açúcar (0,79%). Já cinco itens tiveram queda nos preços em relação a outubro. São eles: banana da prata (-4,57%), feijão carioquinha (-3,17%), farinha de mandioca (-1,90%), café (-0,99%) e leite (-0,97%).

Procon-Ba denuncia abusos a três ministérios 
Em outubro, o Procon-Ba recebeu denúncias da alta no preço dos alimentos, nas quais os consumidores afirmavam a cobrança de valores abusivos. Como o órgão na Bahia preside a Associação Brasileira de Procons, oficiou-se os Ministérios da Economia; Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa); e Justiça e Segurança Pública para tomar conhecimento da alta generalizada dos produtos da cesta básica. “O preço chegou a níveis absurdos, o que fez com que eles fossem denunciados dando fundamento para que o Procon fosse na busca pela defesa do consumidor”, informa o superintendente do órgão, Filipe Vieira.

Segundo ele, o Mapa respondeu que existe um momento de alta nas exportações dosalimentos, mas não há risco de desabastecimento. Já a pasta da Economia apontou que o interesse do exportador é causado pela alta do dólar. Por fim, a Secretaria Nacional do Consumidor, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, se comprometeu a acompanhar a alta. A Associação Brasileira de Supermercados também se comprometeu em se atentar ao preço da cesta básica, repassando aoconsumidor apenas eventuais aumentos dos produtores e da indústria.

“Nas reuniões, conseguimos que fosse zerada a alíquota de importação do arroz e foi firmado o compromisso de fazer o mesmo com outros itens da cesta básica. Há também uma movimentação do Governo Federal para incentivar a agricultura familiar. Outras políticas devem entrar em curso com o passar do tempo”, afirma Vieira. A expectativa é de que as medidas deem resultado prático, controlando os preços e até a abaixar os valores em relação à velocidade de crescimento dos preços a partir de meados de dezembro e em janeiro. 

Sobre a conta de luz, o superintendente afirma que é estranho a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) ter mudado a bandeira tarifária para a cor vermelha na virada de novembro e dezembro, não em 2021. “Tentamos reverter esse aumento”, afirma Vieira.

Caso o consumidor acredite que exista cobrança de preço abusivo, é possível fazer a denúncia por meio do aplicativo Procon BA Mobile para que o caso seja investigado. “Existe diferença entre preço absurdo e abusivo. Para ser abusivo, o preço deve ter sofrido reajuste além dos índices oficiais ou sem um justa causa”, explica Vieira.

Cartão de crédito
A última grande dívida de Marilene foi no cartão de crédito, após uma bola de neve se formar por causa de um período pagando apenas a fatura mínima. Com os juros, ela teve que pagar cerca de R$ 1 mil para quitar a dívida. Mas ela conta que já está “de cabelo arrepiado” porque ainda não conseguiu pagar os R$ 447 da fatura deste mês.

“Os juros são muito altos, já pensei em cancelar o cartão porque com ele eu gasto mais do que devia. Não compro com dinheiro e fico passando no cartão. Uma pessoa com um salário mínimo não consegue pagar R$ 500 de fatura e ainda tem as outras dívidas”, diz.

Para o economista Edval Landulfo, parte das pessoas tem a falsa sensação de que o cartão é uma extensão do salário. Um dos grandes perigos do pla´stico é justamente as pequenas parcelas, que se perdem na cabeça do comprador, mas, juntas, podem virar uma grande quantia a ser paga no final do mês. “Não temos o hábito de fazer o orçamento e colocar todas as parcelas, mesmo as pequenas. Outra coisa importante é que, antes de comprar no cartão, é preciso ter o dinheiro para pagar a compra. Muita gente faz o oposto, compra sem ter o dinheiro e depois vê como paga”, fala. 

Landulfo dá duas dicas para usar o melhor cartão, mas elas só servem para quem tem controle dos gastos. A primeira é fazer compras de mercado e combustível no crédito para receber milhas, a outra é pagar à vista sempre que for possível e conseguir um desconto nessa modalidade.

A pesquisa do Serasa aponta ainda que dois terços das pessoas têm dívidas com o cartão de crédito. Dentre os endividados, 70% ainda não conseguiram quitar a dívida, mas 58% acreditam que vão pagar o passivo. Já 10% desistiram de zerar a dívida. Limpar o nome é apontado como o maior objetivo dos que acabaram com os débitos, com 54% das respostas. 

Serasa: 51% das pessoas voltam a se endividar
O reendividamento acontece em 51% dos casos, segundo a pesquisa, que aponta que o desemprego (54%), a falta de controle (24%) e a compra de mantimentos e gastos do dia a dia (18%) também são as principais causas da ocorrência de novas dívidas. 

Landulfo explica que o reindividamento acontece porque as pessoas não têm um planejamento financeiro. De acordo com ele, é comum que os trabalhadores utilizem o dinheiro do 13º e das férias para quitar as dívidas, ter crédito e, assim, criar novos débitos. “É uma bola de neve, a pessoa prefere pagar uma dívida para ter acesso ao crédito para comprar algum produto financiado. Com isso, a renda sempre está comprometida e a pessoa não consegue pagar a parcela do novo financiamento, o que gera outra dívida”, explica.

O economista aponta ainda que existem famílias que vivem acima do padrão de vida permitido pela renda, mas optam pelo endividamento para manter o status. “Existem famílias com 4 pessoas que ganham entre 1 e 2 salários mínimos, nesse caso, existe mesmo um problema de renda que dificulta seguir um planejamento e pagar as contas. Mas outras pessoas se endividam por vaidade”, afirma.

De acordo com a pesquisa, 90% das pessoas fazem algum tipo de controle de gastos - a maioria (29%) anota todas as despesas em um papel ou uma planilha. Entretanto, 10% dos ouvidos não fazem nenhum tipo de controle. O estudo explica que, apesar de grande parte das pessoas terem controle, a renda baixa ou limitada não condiz com o volume de gastos dos lares do Brasil. 

A pesquisa ouviu 3.994 pessoas entre 2 e 29 de outubro. O nível de confiança é de 95% e a margem de erro é de 2%.

Alimentos com as maiores variações acumuladas**

Óleo de Soja (98,08%)
Tomate (87,62%)
Arroz (71,3%)
Batata-inglesa (59,29%)
Cenoura (56,71%)

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

** Em Salvador e RMS, entre janeiro e novembro, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do IBGE

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas