Bala perdida atinge pescoço de menino dentro de sala de aula no Rio

brasil
04.10.2018, 23:31:35
Atualizado: 04.10.2018, 23:35:45

Bala perdida atinge pescoço de menino dentro de sala de aula no Rio

Não se sabe ainda de onde partiu o tiro que alvejou a criança

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um menino de 12 anos de idade foi atingido, de raspão, no pescoço, por uma bala perdida, quando estava dentro de sala de aula, na Escola Municipal Ariosto Espinheira, na Penha, na zona norte. Ele foi levado para o Hospital Getúlio Vargas, no mesmo bairro, e já foi liberado para alta. De acordo com o aplicativo Fogo Cruzado, somente este ano, 125 pessoas foram vítimas de bala perdida no Grande Rio, 17 delas eram crianças ou adolescentes e três estavam dentro de escolas.

Não se sabe ainda de onde partiu o tiro que alvejou a criança, mas há vários relatos de tiroteios nas comunidades que integram o Complexo da Penha, perto da escola. No momento em que foi atingido, o menino estava sentado no chão da sala de aula, junto com os colegas do 5º ano, seguindo procedimentos preconizados pela Secretaria Municipal de Educação para caso de tiroteios. A secretaria informou que essa foi a primeira vez que a escola registrou um ferimento por bala perdida.

A Polícia Militar informou que a base da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Vila Cruzeiro foi atacada por criminosos armados na manhã desta quinta-feira. Houve confronto e um criminoso foi ferido durante a troca de tiros, sendo também socorrido no Hospital Getúlio Vargas. "Não dá nem para sair para trabalhar", escreveu um morador nas redes sociais. "Acordei assustada com os tiros", disse outro.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas