Baleia jubarte achada morta no Sul da Bahia não tem previsão de remoção

bahia
29.06.2018, 19:06:00
(Foto: Instituto Baleia Jubarte)

Baleia jubarte achada morta no Sul da Bahia não tem previsão de remoção

Das dez baleias achadas mortas no país este ano, seis foram na costa baiana

Uma baleia jubarte de 14 metros e peso estimado de 45 toneladas foi encontrada morta na Praia dos Corais, em Alcobaça, cidade do Extremo Sul da Bahia. O mamífero marinho macho foi localizado encalhado no local na última quarta-feira (27), mas, segundo o veterinário e pesquisador do Projeto Baleia Jubarte, Hernani Ramos, pelo estado de decomposição, o animal estava morto há pelo menos quatro dias.

A carcaça da baleia permanece no local e não há previsão de retirada. "Para fazer a remoção da carcaça, nós precisamos de maquinário potente e só quem tem esses maquinários são os municípios. Precisamos da cooperação deles para fazer a remoção. Só que nem sempre eles conseguem chegar nos lugares e é isso que está acontecendo agora. Eles não conseguem chegar lá", explica. A praia é afastada do município e pouco habitada, segundo ele.

O Projeto Jubarte teve conhecimento da carcaça após um morador do local acioná-los. "Fomos lá, fizemos o exame externo para tentar identificar possíveis lesões, mas não encontramos. Também coletamos amostras para ajudar no diagnóstico e fizemos a biometria do animal", explicou Ramos.

Esta é a 10ª baleia jubarte encontrada morta este ano no Brasil e a Bahia ocupa o primeiro lugar no ranking dos estados com maior número de ocorrências. De dez casos, seis foram na costa baiana, dois no Rio Grande do Sul e dois no Paraná.

De acordo com o pesquisador, o número é alto na Bahia porque é justamente a região do banco de Abrolhos que elas escolhem para se acasalar. "É o local onde elas parem seus filhotes. Migram da Antártica para se reproduzir na costa brasileira", explica Hernani, acrescentando que a temporada de reprodução se estende de julho a novembro. As baleias viajam até 8.000 quilômetros pelo Hemisfério Sul a fim de se reproduzir.

No ano passado, ao todo, foram encontradas 122 baleias encalhadas. Na avaliação do pesquisador, esse ano o número deve crescer. "É que esse ano temos muitos ventos sul, sudeste e leste, trazendo as carcaças para o continente. Quando sopram do continente para o mar, as carcaças vão embora."

Veja o que fazer se encontrar uma baleia encalhada:

  • Isole a área e entre em contato com o Programa de Resgate do Projeto Baleia Jubarte - outras espécies de baleias, lobos marinhos botos e golfinhos também são atendidos.

  • Contato da sede do projeto na Praia do Forte: (71) 3676-1463 ou 8154-2131. / Sede de Caravelas (Sul do estado): (73) 3297-1340 ou 98802-1874 (ligações a cobrar são aceitas);

  • Não toque e nem se aproxime. Além do tamanho e do peso, que podem oferecer riscos, animais encalhados, vivos ou mortos, também podem transmitir doenças aos seres humanos;

  • Animais domésticos, como cães e gatos, também precisam ficar longe do local pelos mesmos motivos;

  • Não se aproxime da cauda. São animais grandes em situação de debilidade física, que podem se tornar ariscos com a aproximação de outros indivíduos e causar ferimentos;

  • Não tente salvar o animal ou devolvê-lo ao mar se ele estiver com vida. O trabalho deve ser feito por especialistas;

  • Evite respirar o ar expirado pelos animais. Nunca toque e ingira nada do animal morto;

  • Tire fotografias do animal, para possibilitar a identificação da espécie e documentação do caso.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas