Bandidos roubam moradores durante arrastão em praça do Rio Vermelho

salvador
27.09.2021, 11:32:00
Atualizado: 28.09.2021, 02:56:22
(Foto do Leitor)

Bandidos roubam moradores durante arrastão em praça do Rio Vermelho

É o segundo caso em 30 dias, reclamam moradores; PM diz que reforçou policiamento

Um arrastão no começo da noite do domingo (26) assustou moradores do Morro das Vivendas, no Rio Vermelho. De acordo com testemunhas, três ladrões chegaram a pé pela Rua Rodrigo Argolo e assaltou os frequentadores de uma barraca. De acordo com moradores, dois usavam máscara, e um terceiro fumava durante a ação. 

Em seguida, os ladrões ainda saquearam as pessoas que rezavam no altar da Mãe Rainha de Schoenstatt, localizado na praça, provocando pânico e correria das crianças que brincavam no primeiro fim de semana da primavera. Nem mesmo itens de um cachorródromo que fica no local foram perdoados.

"Levaram os celulares de todas as pessoas. Dois estavam mais agressivos, xingando as pessoas. O terceiro só mostrou a arma e pediu para passar tudo. Eu pedi que deixasse meu RG e minha chave de casa, aí, ele vasculhou a bolsa e jogou chave e minha identidade na mesa, mas levou tudo. Carteira com cartões, celular, bolsa, uma corrente de prata. Levou tudo da praça inteira", contou ao Correio uma das vítimas, que preferiu não se identificar.

Depois do arrastão o trio de assaltantes fugiu pela escadaria que liga a Rua Francisco Rosa à Rua Ipirá. Os moradores, assustados, se queixam da violência, destacando que é o segundo assalto em menos de trinta dias na praça. Uma guarnição da PM chegou ao local cerca de 10 minutos após o arrastão.

Em nota, a Polícia Militar diz que depois das últimas ocorrências de violência no local o policiamento foi intensificado pela 12ª CIPM (Rio Vermelho). A comandante da unidade, major Érica Patrícia, já agendou uma reunião com síndicos e moradores. A ideia diz a PM, é "traçarem juntos estratégias que contribuam para o aprimoramento do trabalho da polícia".

A 12ª realizou rondas na região para localizar os suspeitos, mas eles não foram encontrados. O policiamento no local segue com o emprego de viaturas e motocicletas em rondas e o apoio do Pelotão de Emprego Tático Operacional (Peto).   

A orientação da PM é para que as vítimas registrem queixa na delegacia do bairro, para ajudar na organização de uma estratégia de segurança pública. Procurada, a Polícia Civil diz que não localizou ocorrência sobre o caso.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas