Banho, tesoura e talento: campeonato de tosa canina acontece em Salvador

salvador
26.05.2019, 21:39:00
Atualizado: 26.05.2019, 21:43:27
Aspectos como tratamento ao animal e sua transformação foram avaliados na competição (Foto: Betto Jr./CORREIO)

Banho, tesoura e talento: campeonato de tosa canina acontece em Salvador

Evento reuniu 20 profissionais no Shopping Paralela, na tarde desse domingo (26)

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Todo mundo que tem um animalzinho de estimação gosta de ver ele arrumado e cheiroso. Há também aqueles que investem mais e partem para um acessório, roupa e, claro, uma tosa mais elaborada. 

E foi justamente essa técnica que reuniu 20 profissionais da Bahia e de Sergipe, para realizar o primeiro campeonato de tosa em Salvador. O evento aconteceu em um espaço no Shopping Paralela, na tarde desse domingo (26). 

Para Luiz Carlos Bispo, organizador do evento, o Brasil já apresenta um mercado desenvolvido nessa área, que cresce de sete a oito por cento ao ano, e agora a Bahia também pode crescer nesse ramo: “A intenção aqui é mostrar a profissão do tosador para a sociedade. Inserir essa profissão para que ela seja cada vez mais reconhecida”.

Segundo Johnatan, avaliador do campenato, algumas tosas chegam a custar mil reais na cidade de São Paulo (Foto: Betto Jr/CORREIO)

E, como em toda competição, dois profissionais da área foram convidados para avaliar o trabalho dos tosadores. O paulista Johnatan Skolimoski, de 30 anos, é especialista em tosa e foi um dos avaliadores do campeonato.

Ele acredita que competições como essa abrem espaço para a criatividade, já que a rotina da profissão acaba sendo muito mecânica e cansativa. “Aqui os profissionais encontram um prazer em fazer isso. Em momentos como esses eles se divertem, é gostoso”, disse Johnatan.

A avaliação é feita a partir de um processo, que envolve e apresentação do animal, o processo estético e a sua finalização. “O início é com o cão chegou, se está escovado e banhado direito, com as unhas cortadas e ouvidos limpos.

"Em questão de talento, eu diria que é idêntico. Temos bons talentos aqui, tanto quanto lá", avalia Johnatan, sobre a qualidade dos tosadores baianos e paulistas. "Depois começa o processo da tosa, a forma como o tosador manuseia o animal, se é de forma respeitosa, e como usa o material. Por fim, o resultado final, como ficou a transformação do cão, se a pelagem está simétrica, por exemplo”, explica.

Joyce Oliveira, que também foi jurada da competição, lembrou que capacitações como essa estimulam o mercado e melhoram o nível técnico desses profissionais: “Qualifica ainda mais o trabalho do dia a dia, quando eles saírem daqui vão estar com mais vontade ainda de trabalhar e se capacitar”.

Os animais que foram usados como modelo eram levados pelo o tosador (Foto: Betto Jr./CORREIO) 

E se para o público que acompanhava o evento já era algo bem inusitado, imagina você assistir seu pet passar por essa transformação durante duas horas? Foi o caso de Cristiane Avelino, 40, que levou a sua “filha”, como ela mesmo define, Yoko, de 9 anos, para ser a modelo do tosador Mauro.

“Ela é muito quietinha, uma lady”, diz a fisioterapeuta. O convite para participar veio de Cristal, amiga de Cristiane e também esteticista da cachorra há cinco anos. “A gente não tosa ela, apenas apara, por isso estou meio apreensiva”, contou a dona.

"Eu já tenho dois filhos homens em casa, então ela é minha filha única", brinca Cristiane 

A dona de pet shop e esteticista animal explica todo o processo para manter a belza de Yoko em dia: “Ela vai para lá uma vez por semana, faz hidratação nos pelos, reconstituição e nutrição deles”. Mas para Cristiane, independente da beleza, o mais importante é o carinho que dá para o animalzinho.

Para aqueles que se interessam pela área e querem seguir uma carreira de tosador ou esteticista, é importante lembrar: não basta amar só o seu pet, precisa gostar de animais, ressalta Joyce Oliveira. “Buscar capacitações e cursos base em escolas com propriedade, e depois avançar com especializações e ir evoluindo as técnicas no dia a dia”, aconselha.

O vencedor da competição pôde levar para casa um filhote e uma tesoura no valor de R$ 400. O segundo e terceiro colocados ganharam brindes, produtos e uma quantia em dinheiro.  

* Sob supervisão do editor Wladmir Pinheiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas