Biscoitos de Natal: professor e servidor público ganham R$4 mil com doces natalinos

coronavírus
20.12.2020, 11:00:00
Rogério e Railson esperam produzir 6 mil biscoitos até o dia 25 (Foto: Divulgação)

Biscoitos de Natal: professor e servidor público ganham R$4 mil com doces natalinos

Por mês, são feitos, em média, 3 mil a 4 mil biscoitos, fora os outros produtos do cardápio da Biscoitos Fino Café

Farinha de trigo, manteiga, açúcar e muito recheio. A receita de biscoito que o professor de Português Rogério Sousa e o servidor público Railson Andrade encontraram na internet e resolveram testar para a hora do lanche, rendeu mais do que uma fornada e acabou transformando a casa em  fábrica de biscoitos. 

Esse poderia até ser um conto de Natal, mas, na verdade, a história começou antes mesmo da pandemia, lá no mês de fevereiro, quando, de repente, eles começaram a vender para os amigos e aí surgiu a Biscoitos Fino Café (@biscoitosfinocafe).

Em março, a pandemia chegou e a dupla ficou um pouco desmotivada e decidiu parar como medo da contaminação pela covid-19. Só que em agosto surgiu um pedido milagroso de 700 biscoitos. A produção foi reativada e voltou com tudo. Santa encomenda: eles não pararam mais. 

De lá para cá, desde a primeira semana de dezembro, a agenda está lotada e a produção, a todo vapor. Por mês, são feitos, em média, 3 mil a 4 mil biscoitos, fora os outros produtos do cardápio. Rogério e Railson duplicaram o ganho médio mensal de R$ 2 mil para R$ 4 mil em dezembro.

“Ficamos em média de seis a sete horas na cozinha para dar conta da fabricação dos biscoitos. No mês de dezembro tivemos um crescimento de mais de 100% da nossa produção. Fomos surpreendidos com o número de pedidos para essa data comemorativa. Entre os produtos mais procurados, já conseguimos fechar a encomenda de 135 árvores de biscoito que demos o nome de Encantos de Natal e do nosso brownietone (panetone de brownie)”, afirma Rogério.

O preço dos produtos natalinos produzidos por Rogério e Railson custam entre R$ 8 e R$ 55. Eles criaram também uma guirlanda de brownie.

“Nosso maior público geralmente é formado por mulheres de diferentes idades. Em sua maioria compram os produtos para presentear alguém. Essas pessoas que recebem os presentes também se tornam nossas clientes. O gasto médio por cliente é de R$ 100”. 

Artesanal
Existem várias lendas sobre o biscoito de origem europeia que é um dos doces preferidos da Rainha Elisabeth II. A mais conhecida delas é a seguinte: conta a história, que uma senhora assou um biscoito com formato de homenzinho. Após abrir o forno, o doce ganhou vida, pulou para fora e saiu correndo. 

Diz a lenda ainda, que ninguém conseguiu segurar esse homem biscoito de gengibre. A gente não faz ideia sobre qual foi a mágica que aconteceu para o biscoito ganhar o mundo. Mas a receita deles tem seus segredos, como revela Rogério. 

“Acreditamos que o nosso diferencial está no formato, sabor e aroma dos biscoitos, recebemos diversos relatos de clientes que ao saborear os biscoitos remeteram a sua infância e lembranças afetivas de momentos na casa da avó, entre outras recordações”. 

A produção é totalmente artesanal. “Acreditamos que por se tratar de algo produzido em casa, remeta, de fato, a essas lembranças afetuosas. No final das contas, o ingrediente principal é o amor que depositamos em cada biscoitinho”, acrescenta Rogério. 

A Biscoitos Fino Café tem doces natalinos com preços que variam de R$ 8 a R$ 55
(Foto: Divulgação)

A primeira fornada foi de 100 biscoitos com um investimento inicial de R$ 120. Os sócios passaram a impulsionar as publicações no Instagram, para que elas alcançassem um público-alvo e firmaram parcerias com empreendedoras que trabalham como kits, cestas e boxes personalizados para presentes. Para 2021, o investimento será na oferta dos produtos para eventos como casamentos, aniversários, chás de bebê e batizados.

“A divulgação do nosso cardápio pelas redes sociais colaborou bastante. Sempre pedimos um feedback após os clientes receberem suas encomendas. Ficamos muito felizes com esse retorno que recebemos. Consideramos extremamente importante essa interação para mantermos a qualidade dos nossos produtos”, pontua.

Rogério teve o contrato rescindido pela escola que trabalhava. A venda dos biscoitos conseguiu repor a renda, mesmo como a rotina corrida que a pandemia impôs a quem é professor. “No início, produzíamos nos finais de semana e levávamos para vender no trabalho. Com a pandemia eu tive meu contrato com a escola rescindido e fiquei como voluntário, com aulas às segundas-feiras no turno da manhã.  Railson, que é servidor público, também me ajuda na produção após o expediente, além de ficar responsável pelas entregas. É uma renda que tem contribuído muito”.

Parte do lucro será investido na abertura da loja física, prevista para o ano que vem. “O maior desafio do negócio é compatibilizar o processo de produção, divulgação, elaboração de criação, marketing e logística. Estamos utilizando nosso capital de giro para investir em nossa empresa. Pretendemos no futuro expandir e abrir nossa loja física, mas é um planejamento que vamos fazer a partir do ano que vem. E o fator determinante para que tudo dê certo é inovar”, completa Rogério. 


A RECEITA DA BISCOITO FINO CAFÉ

Foque em um atendimento de qualidade

Mantenha a produção organizada para conseguir antender a todos os pedidos e encomendas no prazo

Aposte no serviço delivery para atender o seu cliente com toda a comodidade e cuidado que o momento de pandemia exige

Entregue inovações junto com o seu produto

Construa parcerias com outros empreendedores para divulgar e expandir sua marca
 

QUEM É

Rogério  Sousa e Railson Andrade  são criadores da Biscoitos Fino Café. Rogério é professor de Português e Railson, funcionário público.  




***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas