Boato de 'criatura estranha' assusta moradores de Itaparica

em alta
02.03.2021, 12:59:00
Atualizado: 02.03.2021, 13:30:15
(Foto: Reprodução)

Boato de 'criatura estranha' assusta moradores de Itaparica

Monstro tem 'ajudado' a garantir toque de recolher na Ilha; perito analisou imagens

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O toque de recolher imposto pelo Governo da Bahia restringe os rolés de humanos pelas ruas do estado, mas não está afetando criaturas "do outro mundo". Ao menos é isso que garante um boato que circula por grupos de WhatsApp e outras redes sociais dos moradores da Ilha de Itaparica.

Ninguém sabe ao certo o que seria o bicho. Chupa-cabra, lobisomem, pé-grande e homem-macaco são alguns dos palpites, mas a única certeza da história é que o bicho feio estaria rondando as ruas da Ilha de Misericórdia - o nome do local é bem apropriado para o fenômeno, inclusive -, ajudando a garantir o lockdown parcial na Ilha.

"Está todo mundo falando sobre isso, os grupos do 'zap' e 'face'", revela Marise, dona de um restaurante em Itaparica. "Eu acredito que é algum besta tentando assustar as pessoas", teorizou, cética, Gerusa, outra residente.

A versão de Gerusa parece ter ganhado força, tanto que um novo boato aponta que, na verdade, trata-se de um homem fantasiado, que inclusive teria sido localizado e preso pela polícia. O CORREIO entrou em contato com delegacias da região e todas disseram desconhecer a versão.

Fotos são reais, pero no mucho
As fotografias que circulam são duas. Uma mostra a criatura com braços longos andando ao lado do que parece ser uma igreja. A outra retrata o que parece ser uma família de "monstros", com pais e um filhote, andando por uma estrada de terra escura.

Com uma busca reversa no Google, as imagens não apareceram em nenhum contexto diferente deste boato. Ou seja: elas, provavelmente, foram criadas especificamente para dar vida à história.

O designer Francisco Patrício, especialista em edição de imagem, analisou as fotos e não encontrou nenhum indício de edição digital.

"A primeira tá muito bem feita, por causa das sombras. O bicho está indo de encontro à luz, e ela tá muito certinha à frente do bicho. E na segunda está muito difícil de identificar até mesmo existência de sombra por não estar iluminado", analisou.

Resumindo: há chance das fotos serem verdadeiras, mas isso não significa que elas sejam reais. Ambas estão com baixa luminosidade e definição. Com isso, é fácil alguém fantasiado, por exemplo, parecer muito mais assustador que o normal.

Outro detalhe desta foto atrapalhado pela baixa luminosidade é a placa pendurada na parede da igreja. Ela, aparentemente, está escrita com alfabeto árabe - o que colocaria uma pá de cal nesta história. Porém, não é possível ter certeza.

"Não dá para cravar se são falsas ou verdadeiras. Porém, fotos em baixa resolução são perfeitas para ilusão de ótica. Pode se fantasiar e ir para o escuro que assim fica fácil criar algo que pareça real", conclui.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas