Boca Rosa se defende após ser processada pela Globo: 'Não sou esse tipo de pessoa'

em alta
24.07.2020, 13:17:55
Atualizado: 24.07.2020, 13:20:51
(Foto: Reprodução)

Boca Rosa se defende após ser processada pela Globo: 'Não sou esse tipo de pessoa'

Emissora cobra R$ 500 mil de indenização

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A digital influencer Bianca Andrade, a Boca Rosa, se pronunciou pela primeira vez após ter sido processada pela Globo. Na ação, a emissora diz que foi enganada após a blogueira assinar um contrato de exclusividade com o BBB20, sendo que antes tinha participado as gravações de outro reality, o Soltos em Floripa, do Prime Video.

Em contato com Hugo Gloss, a influencer disse que todas as questões jurídicas e legais envolvendo a Rede Globo estão sendo resolvidas e que está comprometida em fornecer as informações necessárias para deixar claro qualquer mal entendido com a emissora.

“Eu recebi a notícia com grande surpresa. Eu nunca adotaria uma estratégia para estar em dois programas ao mesmo tempo, não vejo benefícios, e não sou esse tipo de pessoa”, garantiu.

“O contrato com a Amazon foi assinado antes do acordo com a TV Globo. E, na época, pela interpretação da minha equipe pessoal, os dois não conflitavam entre si. Todos sabem que eu vim da internet, e minha equipe era bastante reduzida. Só quando saí do BBB, um programa que amei ter feito, eu percebi que precisava aumentar de tamanho, contratando uma estrutura maior e com profissionais responsáveis por setores jurídico, assessoria de imprensa e empresariamento artístico”, explicou a estrela.

“Depois, com uma equipe maior e devidamente estruturada, fiz questão de entrar em contato com as duas empresas para esclarecer qualquer dúvida e pensei que ambas tivessem compreendido todo contexto. Ressalto que cumpri o contrato da TV Globo em sua integralidade, inclusive indo até a final do programa no dia 27 de abril. Mas estou totalmente disposta a resolver esse problema. Não quero ficar mal com ninguém e nem deixar que pensem que foi algum tipo de estratégia, isso não tem cabimento. Vou encarar de frente e aprender com isso, como mulheres fortes sempre fazem na vida”, encerrou Bianca.

Entenda
Segundo o portal Notícias da TV, tudo começou quando a blogueira escondeu participou das gravações do reality show Soltos em Floripa, do Prime Video, quando assinou o contrato para participar de Big Brother Brasil 20. Pela quebra do acordo, a emissora pede uma indenização de R$ 500 mil.

Na ação, protocola na 7ª Vara Cível do Rio de Janeiro, a emissora alega que Bianca não cumpriu com a cláusula de exclusividade do seu contrato ao aparecer em um programa concorrente.

A Globo só ficou sabendo que foi enganada após a eliminação de Bianca, ocorrida em 25 de fevereiro. O nome da influenciadora foi confirmado como comentarista do Soltos em Floripa em 5 de março, quando ela já estava fora da casa.

O problema é que o contrato de Bianca - assim como o de todos os confinados do BBB20 - era válido até 30 de abril. E, entre as cláusulas, havia uma de exclusividade: no período do contrato, mesmo após serem eliminados, os brothers e sisters não podem aparecer em emissora, página de internet ou mídia impressa concorrente.

"Assim, a exibição pelo Amazon Prime Video do programa Soltos em Floripa, com a participação da ré e durante a vigência da cláusula de exclusividade, configura grave violação à obrigação contratual assumida, especialmente porque não foi dado prévio conhecimento à autora", explicam os advogados da Globo.

Ainda de acordo com o Notícias da TV, a multa foi estipulada em R$ 500 mil porque, em contrato, fica definido que o rompimento do acordo está sujeito a uma penalidade igual ao prêmio máximo do programa, R$ 1,5 milhão. 

Esse valor se refere às três cláusulas principais: participação no reality, cessão de voz e imagem e exclusividade. Como Bianca cumpriu as duas primeiras de suas três obrigações contratuais, a indenização corresponderia a um terço do total; ou seja, meio milhão.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas