Bolívia e OEA começam a negociar auditoria em resultado da eleição presidencial

mundo
27.10.2019, 17:35:00
Atualizado: 27.10.2019, 17:35:52
O presidente Evo Morales deve ir para seu quarto mandato (Foto: Aizar Raldes/AFP)

Bolívia e OEA começam a negociar auditoria em resultado da eleição presidencial

Segundo resultados oficiais, Morales conseguiu 47,08% dos votos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Bolívia e a Organização dos Estados Americanos (OEA) negociarão a possibilidade de auditar as recentes eleições, nas quais o presidente Evo Morales parece encaminhado a evitar um segundo turno, mas que desataram protestos e denúncias de fraude, informou no domingo o governo boliviano.

O governo informou que começou as negociações com a OEA para firmar um convênio para a auditoria. O vice-ministro do Comércio Exterior, Benjamín Blanco, declarou que começaram os contatos para determinar quem liderará as negociações e como isso procederá.

"Estamos esperançosos em que se faça o mais rápido possível e assim agilizar o processo de auditoria", acrescentou o ministro em uma entrevista à emissora estatal Bolivia TV.

A oposição, liderada pelo candidato e ex-presidente Carlos Mesa, denunciou que se tratou de uma fraude monumental para favorecer Morales. Uma aliança opositora encabeçada por Mesa desconheceu os resultados e convocou "protestos pacíficos".

Segundo resultados oficiais, Morales conseguiu 47,08% dos votos, enquanto Mesa obteve 36,51%. A contagem terminou com uma diferença de 10,57 pontos porcentuais entre os candidatos, o que daria ao presidente a reeleição. A expectativa é que o tribunal eleitoral apresente um informe final nos próximos dias.

Na sexta-feira, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Antonio Guterres, apoiou a decisão da OEA de revisar a contagem. Além disso, os EUA e países da região como Colômbia, Brasil e Argentina pediram um segundo turno para restituir a "credibilidade no processo eleitoral". Morales respondeu dizendo que os ministros das Relações Exteriores desses países poderiam "vir para contar voto a voto os resultados". 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas