Bolsonaro convida pastor para ser novo ministro da Educação

brasil
10.07.2020, 17:25:17
Atualizado: 10.07.2020, 17:58:56
(Foto: Reprodução/TVB)

Bolsonaro convida pastor para ser novo ministro da Educação

Milton Ribeiro será o quarto a assumir o MEC; ele tem doutorado em Educação

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O presidente Jair Bolsonaro convidou e, logo depois, nomeou o pastor Milton Ribeiro para comandar o Ministério da Educação. A divulgação ocorreu no final da tarde desta sexta-feira (10). Ele será o quarto a comandar o MEC nesta gestão. A data da posse no cargo ainda não foi divulgada.

Pastor na Igreja Presbiteriana e, segundo seu currículo na plataforma Lattes, graduado em Teologia e Direito com mestrado em Direito e doutorado em Educação, o reverendo Milton Ribeiro é também membro do Conselho Deliberativo do Instituto Presbiteriano Mackenzie, mantenedora da Universidade Presbiteriana Mackenzie, da qual foi vice-reitor.

Em maio de 2019 ele foi nomeado por Bolsonaro para a Comissão de Ética Pública da Presidência da República (CEP). O órgão tem como função investigar ministros e servidores do governo, caso cometam alguma irregularidade. O mandato de Ribeiro está previsto para terminar em 2022, mas, aceitando o posto de ministro do governo, terá de abrir mão do cargo na CEP.

Desde a saída de Abraham Weintraub, que foi indicado para um cargo no Banco Mundial, nos Estados Unidos, Bolsonaro tentou nomear dois ministros, mas ambos não resistiram à pressão e acabaram não assumindo o MEC.

O primeiro foi Carlos Alberto Decotelli, nome que surpreendeu por estar fora do radar dos cotados, mas acabou deixando o cargo menos de uma semana após ser anunciado por inconsistências no currículo. O outro, Renato Feder, secretário de Educação do Paraná, chegou a encabeçar a lista de favoritos logo que o cargo de ministro ficou vago, mas por pressão da ala ideológica, também acabou descartado.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas