Bolsonaro sabia de irregularidades na compra da Covaxin; CPI investiga

brasil
23.06.2021, 11:37:35
Atualizado: 23.06.2021, 11:41:11
(Foto: Marcos Correa /PR)

Bolsonaro sabia de irregularidades na compra da Covaxin; CPI investiga

Ministério da Saúde fez pressão para acordo lesivo ao país

O presidente Jair Bolsonaro foi alertado pessoalmente sobre irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin. A informação foi passada a integrantes da cúpula da CPI da Covid, informa o jornalista Gerson Camarotti, da Globo.

O imunizante, que ainda não foi aplicado no Brasil, foi comprado com preço 1000% maior que o valor original.

Segundo o relato que chegou à CPI, o aviso da irregularidade foi feito pelo deputado federal Luis Claudio Miranda (DEM-DF), que é irmão do chefe do Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda.

Foi o servidor que denunciou a pressão da pasta para favorecer a Precisa Medicamentos, intermediária na compra da vacina Covaxin.

Saiba mais: Brasil comprou vacina indiana por valor 1.000% mais caro que estimado pelo fabricante

Luis Ricardo prestou depoimento ao Ministério Público Federal sobre o interesse fora do padrão do Ministério da Saúde neste caso.

A Procuradoria da República no Distrito Federal apontou “temeridade do risco assumido pelo Ministério da Saúde” na compra da vacina indiana Covaxin e propôs a abertura de uma investigação criminal sobre o contrato do governo com a Precisa.

CPI: Ministro da Saúde será investigado por gastos com compra de vacinas

Segundo os elementos reunidos, há indícios de possíveis irregularidades no contrato para a entrega de 20 milhões de doses da Covaxin no valor total de R$1,6 bilhão. A dose foi negociada a US$ 15 dólares, preço superior ao da negociação de outras vacinas no mercado internacional, a exemplo da vacina da Pfizer.

A CPI da Covid deve aprovar nesta quarta-feira (23) a convocação do servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, e do seu irmão, o deputado federal Luis Miranda, para ouvi-los já na sexta-feira (25).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas