Bom sinal: Varejo cresce pelo segundo mês consecutivo

donaldson gomes
14.08.2020, 05:00:00

Bom sinal: Varejo cresce pelo segundo mês consecutivo


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Sinal positivo
Aos poucos, os efeitos da pandemia do novo coronavírus na economia baiana começam a ser vistos pelo retrovisor. Dizer isso está longe de menosprezar todos os impactos negativos da covid-19 na vida das pessoas, mas reconhecer que o setor produtivo começa a se mexer. Um exemplo claro pode ser notado nas vendas do varejo. Em junho, a atividade superou o desempenho de maio em 7%, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do IBGE. Em maio, o desempenho já tinha sido melhor que em abril. Na comparação entre junho de 2020 com o mesmo mês em 2019, o resultado foi uma queda de 12,6% e na comparação entre o primeiro semestre deste ano com o do ano anterior, o cenário também foi de queda – dados que indicam uma longa caminhada ainda. Com o período de isolamento, três segmentos do varejo cresceram, mesmo comparados com o ano passado: Móveis e eletrodomésticos (23,7%), produtos de saúde, perfumaria e cosméticos (6,0%), e os supermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,4%).

Capital aberto
A Bolsa de Toronto (TSX) – maior mercado de ações em mineração, óleo e gás do mundo – convidou a Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) para um acordo de cooperação. O representante da TSX na América Latina, Guillaume Légare, quer firmar um acordo semelhante ao que foi feito em março com o Instituto Brasileiro da Mineração (Ibram). O presidente da CBPM acredita que o acordo pode ajudar a atrair novos investimentos para a mineração baiana. E, a médio prazo, até facilitar o processo de abertura do capital da CBPM. “Nós temos direitos minerários de mais de 200 áreas no estado. Para fazer pesquisa em todas elas precisamos de mais gente, mais estrutura. O mercado de ações poderia ser uma opção para financiar a empresa sem onerar o Estado”, avalia. A bolsa de Toronto é o maior mercado de ações em mineração, óleo e gás do mundo. Há mais de 300 empresas listadas na TSX e TSXV explorando a mineração na América do Sul, e mais de 1.000 propriedades estavam sendo exploradas até o dia 31 de dezembro de 2018, com arrecadação superior a US$2 bilhões em capital líquido anual.

Tidelli cresce 10%
Especialista no desenvolvimento de mobiliário para áreas externas, a baiana Tidelli cresceu 10% nos primeiros sete meses deste ano. Somente em julho, a alta foi de 80% em comparação com o ano passado. Os bons números e o aumento da carteira de clientes fizeram a marca, que tem fábrica em Salvador, ampliar o quadro funcional com a contratação de 35 novos colaboradores, passando a ter 402 funcionários diretos. De acordo com a fundadora da marca, Tatiana Mandelli, o objetivo é fechar 2020 com o mesmo faturamento alcançado em 2019: R$ 52 milhões. “Estamos trabalhando focados nisso. E tenho certeza que vamos alcançar essa meta”, destaca. Além das lojas exclusivas no Brasil e na Califórnia, a Tidelli também está presente em 16 multimarcas brasileiras e nos Estados Unidos: Nova York, Miami e São Francisco, além de Panamá e México. Possui, ainda, um distribuidor da Noruega.

Camisas Polo
A indústria têxtil Polo Salvador, que fabrica em suma camisas polo para fardamentos corporativos, cresceu 25% em junho em relação a maio. Já em julho, a alta foi de 28% em relação à junho.

Olho no digital
A primeira liquidação 100% virtual do Salvador Shopping rendeu. Nos quatro dias, o site registrou alta de 78,5% em novos usuários. Em comparação com o fim de semana anterior, apresentou um aumento de 294% no volume de visitantes. As categorias mais acessadas foram Sobremesas, Moda e Acessórios. As redes sociais do shopping foram a principal fonte de conversão do canal, com destaque para o Instagram (34%). 

Consórcios
A Ademilar Consórcio de Imóveis, uma das principais empresas do setor, alcançou um recorde mensal de vendas em junho, com a comercialização de quase R$ 500 milhões em créditos. Na soma dos seis primeiros meses de 2020, a administradora comercializou em crédito R$ 1,758 bilhão, o que representa uma alta de 21,40%, em relação ao primeiro semestre do ano anterior. Na Bahia, em junho a empresa comercializou mais de R$ 2,5 milhões, o que representoucrescimento de 107,07% em comparação ao mesmo mês de 2019.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas