Bonito por natureza: conheça paraíso ecológico no Mato Grosso do Sul

bazar
12.01.2015, 07:19:00

Bonito por natureza: conheça paraíso ecológico no Mato Grosso do Sul

Destino atrai quem quer desacelerar, curtir aventuras e ficar bem longe da agitação do dia a dia

Bonito é pouco. É lindo demais. Bonito, no Centro Oeste, é, sem dúvida, um dos melhores destinos de ecoturismo do país. Localizada ao pé da Serra da Bodoquenha, no coração do Mato Grosso do Sul, Bonito é uma cidade que encanta os visitantes pelas grutas, cachoeiras e rios cristalinos.

Com área de 4.934 km², cerca de 20 mil habitantes e mais de 40 atrativos turísticos, a paisagem do cerrado é um ecossistema rico em biodiversidade. A região fica próxima ao Pantanal e tem muitas espécies de peixes (dourados, piraputangas e corimbas), aves (tucanos, tuiuiús) e outros animais, como macacos-prego.

A melhor época para ir a Bonito é de dezembro a março, no período de chuvas: o nível dos rios está alto, as cachoeiras ficam mais caudalosas e a vegetação, que está ainda mais verde, atrai os animais silvestres.

O Parque das Cachoeiras é uma caminhada com sete quedas d’água, cavernas e piscinas naturais (Fotos: Alexandre Campos/Divulgação)

Estrutura - Entre hostels, hotéis e as pousadas, Bonito tem 85 empreendimentos e 5.065 leitos. Além da hospedagem, a culinária é diversificada. Há pratos típicos que quase sempre envolvem receitas com peixes de água doce e versões regionais de pratos da culinária internacional com carnes e frutas locais, uma ótima oportunidade para experimentar sabores e combinações exóticas como jacaré (a parte mais nobre é o rabo), pastel de carne de jacaré, javali, queixada, capivara, javonteiro, vitelo, entre outros. Os pratos são muitos. Antes de ir embora, experimente o pequi: dá para beber em forma de licor ou comer com arroz. Prove também as deliciosas farofas de banana e pacu ensopado, frito ou assado.

Durante o dia, se  refreque com os picolés de frutas como guavira, bocaiúva e araticum. Vale a pena ir à Sorveteria Palácio dos Sorvetes (Rua Pilad Rebua, 1915, Centro) e pedir  Sorvete Assado. A sobremesa leva uma camada de salada de fruta ou pão de ló, sorvete e chantily caseiro. Tudo vai ao forno para gratinar e ficar ainda melhor.

Tem que ter - Protetor solar e repelente não podem faltar na bagagem. Mas eles são proibidos em alguns passeios, para proteger as águas e os peixes. Roupas de banho e tênis também são necessários porque a maioria das caminhadas é mata adentro e termina com mergulhos e banhos de rio. Vale também levar bonés e chapéus para proteger do sol forte. Por fim, deixe espaço na mala para um agasalho leve pois a temperatura pode cair um pouco durante a noite e na época das chuvas.

Durante o passeio, os turistas podem navegar de bote sobre o rio

Como chegar - Partindo de Salvador, do Aeroporto Internacional Luis Eduardo Magalhães, companhias aéreas como a Tam e Gol têm voos regulares com destino a Campo Grande. Há também voos da Azul, que vão direto ou param em Campinas. A descida é no aeroporto de Bonito, que fica a 16 km da cidade. Para quem chega de avião em Campo Grande é melhor contratar o traslado até Bonito ou reservar uma locação de carro. Também é possível comprar um voo de Campo Grande até a cidade. Em Bonito, diversos serviços de vans e locadoras de veículos estão disponíveis. Também é importante fazer a reserva. Viajar com o próprio carro pode ser uma boa opção, já que a maioria dos passeios pelas atrações da cidade exige traslado de carro e fica longe do centro - as distâncias variam de 8 a 60 km. De Salvador para Bonito, de carro, são 2.898 km.

Dentro da Gruta Azul fica um lago cristalino. Para chegar lá é preciso descer 100 metros

Gruta azul - Descoberta por um índio Terena, em 1924, a caverna possui em seu interior um lago azul com dimensões que a tornam uma das maiores cavidades inundadas do planeta. Após uma descida de 100 metros e 300 degraus está um lago de águas intensamente azuladas, cuja profundidade estima-se em 90 metros. As formações geológicas - o teto e o piso da gruta são repletos de espeleotemas de várias formas e tamanhos - despertam a atenção dos turistas  e pesquisadores do mundo inteiro.

Ninguém sabe ao certo de onde vêm suas águas, mas provavelmente chegam de um rio subterrâneo, que alimenta o lago. A Gruta do Lago Azul foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1978 em três dos quatro livros do Tombo: o etnográfico, paisagístico e arqueológico. 

Vai lá: Para visitar a Gruta do Lago Azul, a 20km do centro de Bonito, é necessário contratar o serviço em uma das agências locais. O valor do passeio varia em torno de R$ 35 e dura, em média, 3 horas, com a presença de um guia. É proibida a entrada de crianças até 5 anos.

Nascente azul - Verdadeiro aquário natural, o passeio tem início com uma caminhada leve de mais ou menos 40 minutos pela mata ciliar, tufas de calcário, bosque das figueiras e cachoeiras. No fim, o turista faz a flutuação no Rio Bonito, de cor azul-turquesa. A nascente é cheia de peixes e plantas. Próximo, no Lago da Capela, dá para aproveitar a prainha, que tem bar e restaurante. Também tem a capela, para introspecção e relaxamento. 

Conheça: nascenteazul.com.br

Monumento da Praça das Piraputangas, uma das regiões mais movimentadas de Bonito

Praça das Piraputangas - A piraputanga é um peixe de uns 30 cm de comprimento e é também o símbolo do ecoturismo em Bonito. Ela virou uma estátua na praça principal da cidade, no Centro, batizada de Praça da Liberdade, onde está localizado o Monumento das Piraputangas. No local acontecem vários eventos voltados para turistas. O monumento é circundado por fontes de água e, durante a noite, tem iluminação especial, deixando a vista ainda mais bonita.

Parque das cachoeiras - A aventura é pela trilha ecológica na mata ciliar do Rio Mimoso. São sete cachoeiras formadas por tufas calcárias e pequenas cavernas, com piscinas naturais. Os grupos têm tamanho limitado e são sempre acompanhados por um guia. Depois, nada melhor que retornar à sede e aproveitar a comida regional. Tem redário para descansar e mirante. Quem tem mais energia pode até cavalgar. Vai lá: Rodov. Bonito-Anastácio, Km 17 – 55.67. Contato: (67) 3255-3910.

* O jornalista colaborou para o CORREIO

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas