Brasão de Salvador também tem 470 anos de história 

salvador
27.03.2019, 14:16:00
Atualizado: 27.03.2019, 15:19:31
(Foto: Divulgação)

Brasão de Salvador também tem 470 anos de história 

Pomba que representa a cidade desembarca na cidade junto com Tomé de Souza

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O poema épico Caramuru de Santa Rita Durão que, entre outros acontecimentos, narra a história da fundação de Salvador por Tomé de Sousa, descreve o momento em que o náufrago português Caramuru exibe o brasão da cidade: “O escudo da Bahia mostra ao povo, a pomba de Noé, que ao noto asilo, com ramo de oliveira vem de novo”.

A passagem mostra que, desde que Tomé de Sousa chegou ao Porto da Barra, com a missão dada pelo rei de Portugal, D. João III, de fundar e gerir Salvador, ele já trouxe consigo o brasão da primeira capital brasileira, que completa 470 anos nesta sexta-feira, dia 29 de março.

“O brasão existe antes da cidade. Salvador foi fundada como a capital do novo mundo português. Por conta disso, os símbolos da bandeira fazem alusão à história do dilúvio. Os símbolos, sobre o fundo azul, são a pomba, com um ramo de oliva no bico, e a frase em latim: ‘Sic illa ad arcam reversa est’, que em português significa: ‘E ela retornou à arca’”, explica o historiador e coordenador de cultura do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB), Jaime Nascimento.

Na história bíblica, lembra Nascimento, depois de 40 dias e 40 noites de chuva, Deus ordena a Noé que solte um pássaro. Noé solta primeiro um corvo, que volta sem nada. Na segunda vez, Deus diz, expressivamente, que solte uma pomba. Ela volta com um ramo de oliveira no bico, dando a entender que o novo mundo já havia sido construído. Na terceira vez, o pássaro não retorna mais, porque ela encontra vegetação abundante para construir o seu ninho.

Segundo o historiador, uma das diferenças marcantes da capital baiana é o fato de ela já ter nascido cidade enquanto as outras surgem como vila, comunidade ou distrito, geralmente próximo a alguma paróquia. Sobre a flâmula, Nascimento afirma: “É uma marca da cidade. Do ponto de vista gráfico, é a identidade de Salvador e nos remete a toda essa história”, diz.

No poema Caramuru, do século XVIII, a pomba é descrita também como um símbolo de paz, depois dos conflitos que antecederam a fundação da cidade, como a morte do capitão-donatário Francisco Pereira Coutinho, que fora devorado pelos índios e não conseguiu cumprir a missão de gerir a Capitania da Baía de Todos-os-Santos.

Legislação
A lei de número 7.086, de 20016, instituiu a bandeira oficial de Salvador, unificando as quatro versões até então existentes. A bandeira unificada é azul royal, com o desenho de uma pomba branca com um ramo de oliva verde no bico, com flâmula branca com a divisa preta em latim: "Sic illa ad arcam reversa est" ("assim ela retornou à arca"). 

Antes dessa lei, uma norma do ano de 1966 já havia sido aprovada para instituir a bandeira na capital. No entanto, várias versões continuaram existindo. Por isso, a aprovação da lei em 2006 visou a unificação do símbolo da cidade. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas