Brasil começará a receber 15 milhões de doses da vacina de Oxford em janeiro

coronavírus
02.12.2020, 15:16:00
Atualizado: 02.12.2020, 15:20:48
(PR/Arquivo)

Brasil começará a receber 15 milhões de doses da vacina de Oxford em janeiro

Primeiro lote faz parte do acordo de R$ 1,9 bilhão que o governo federal fez com a empresa

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta quarta-feira (2) que o Brasil vai começar a receber em janeiro e fevereiro 15 milhões de doses da vacina contra covid-19 do laboratório AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford e a Fiocruz. De acordo com o ministro, que falou ao Congresso, o Brasil tem só "duas ou três" opções de vacina. 

O primeiro lote faz parte do acordo de R$ 1,9 bilhão que o governo federal fez com a empresa. A expectativa é que 100 milhões de doses fiquem disponíveis ainda no primeiro semestre.

O país também terá direito à transferência de tecnologia e, com isso, poderá produzir até 160 milhões de doses da vacina de modo autônomo no segundo semestre, pela Fiocruz.

"Em janeiro e fevereiro, já começam a chegar 15 milhões de doses dessa encomenda tecnológica da AstraZeneca/Oxford com a Fiocruz. E, no primeiro semestre, chegamos a 100 milhões de doses. No segundo semestre, já com a tecnologia transferida, pronta, nós poderemos produzir com a Fiocruz até 160 milhões de doses a mais. Só aí são 260 milhões de doses", disse o ministro.

Até agora, nenhuma vacina teve aval final da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o que é necessário para distribuição. A agência acompanha os testes da Astrazeneca, assim como de outros imunizantes. Alguns países, como o Reino Unido, já devem começar a vacinação ainda este ano.

A audiência que ele participou foi na comissão mista do Congresso que acompanha as ações de combate ao coronavírus.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas