Câmara aprova lei que destina R$ 3,6 bilhões ao setor cultural durante a crise

coronavírus
26.05.2020, 17:53:00
Atualizado: 26.05.2020, 19:33:24
Lei deve ser chamada de Aldir Blanc, em homenagem ao artista vitimado pela covid-19 (Instituto Vladimir Herzog/Divulgação)

Câmara aprova lei que destina R$ 3,6 bilhões ao setor cultural durante a crise

Entre outras medidas, texto prevê o pagamento emergencial de três parcelas de R$ 600 aos profissionais informais do setor; proposta segue para o Senado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (26) um projeto de lei que repassa R$ 3 bilhões da União para ações emergenciais destinadas ao setor cultural durante a pandemia da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Entre as principais medidas da chamada Lei Aldir Blanc está o pagamento de uma renda emergencial de R$ 600 aos profissionais informais da área. O texto segue agora para o Senado.

De acordo com o projeto, o recebimento da renda emergencial será limitado a dois membros da mesma família. A mulher que for mãe solteira e chefe de família terá direito a duas cotas da renda emergencial. 

Vale ressaltar que o setor emprega mais de 5 milhões de pessoas. De acordo com o texto, se a Lei foi aprovada no Senado e pelo presidente Bolsonaro, o dinheiro deverá ser usado por estados, Distrito Federal e municípios para implementar políticas para o setor, incluindo:

  • pagamento de três parcelas de R$ 600 aos trabalhadores do setor, entre eles artistas, produtores, técnicos, curadores, oficineiros e professores de escolas de arte;
  • destinação de subsídios mensais (no valor mínimo de R$ 3 mil e máximo de R$ 10 mil) para manutenção de espaços artísticos e culturais e de micro e pequenas empresas culturais que tiveram as suas atividades interrompidas em razão das medidas de distanciamento social;
  • realização de atividades artísticas e culturais que possam ser transmitidas pela internet ou por redes sociais.

De acordo com o presidente da Fundação Gregório de Matos (FGM), braço da Prefeitura de Salvador, Fernando Guerreiro, a aprovação do projeto na Câmara representa uma grande vitória para o setor. "Foi uma batalha grande de todos os gestores de cultura do país, sem exceção. Destaco Pablo Barroso, nosso secretário de Cultura e Turismo (Secult), que trabalhou direto comigo para falar com esses políticos todos, além de Elmar Nascimento e João Roma, todos importantíssimos nessa mobilização. Destaco também Jandira Feghali, que fez um trabalho excepcional e está sendo uma heroína em todo esse processo”, citou Guerreiro.

 Jandira Feghali sugeriu que a lei seja chamada de Aldir Blanc, homenagem ao artista vitimado pela covid-19
Jandira Feghali sugeriu que a lei seja chamada de Aldir Blanc, homenagem ao artista vitimado pela covid-19 (Reprodução/Câmara)

O gestor ressaltou ainda que, nesse momento delicado que o país está vivendo, "ver uma votação envolvendo a cultura é excepcional, coisa que há muito tempo não se via". "Só estou chocado com a postura do Partido Novo, único que votou contra, com uma justificativa patética", afirmou.

"Enfim, ter R$ 3 bilhões parados é surreal e essa medida vai tirar a arte do sufoco, pelo menos temporariamente. Agora é torcer pela aprovação do Senado, o que deve ocorrer”, avaliou Guerreiro, em entrevista ao CORREIO.

O secretário de Cultura e Turismo de Salvador, Pablo Barrozo, também celebrou a aprovação. “Agradeço ao presidente da fundação Gregório de Matos, Fernando Guerreiro, que nos ajudou nessa articulação com os deputados baianos para a aprovação deste projeto. Um agradecimento em especial aos deputados federais Elmar Nascimento, Paulo Azi, Leur Lomanto, Arthur Maia, Adolfo Viana e João Roma, que desde o início foram solidários e abraçaram essa bandeira e que entendem a importância do setor cultural para nossa Bahia, sobretudo para Salvador”,  disse o secretário. 

Ver essa foto no Instagram

Aprovada a Lei de Emergência Cultural na Câmara dos Deputados. Agradeço ao presidente da fundação Gregório de Matos, Fernando Guerreiro, que nos ajudou nessa articulação com os deputados baianos para a aprovação deste projeto. Um agradecimento em especial aos deputados federais Elmar Nascimento, Paulo Azi, Leur Lomanto, Arthur Maia, Adolfo Viana e João Roma, que desde o início foram solidários ao nosso pedido e abraçaram essa bandeira entendendo a importância do setor cultural para nossa Bahia, sobretudo para Salvador. O debate com os atores culturais, com a bancada baiana e com a relatora do projeto, a deputada federal Jandira Feghali, foi fundamental para esta aprovação, garantindo ações aos trabalhadores informais do setor cultural. Parabéns a todos os envolvidos! Dentre os benefícios estão, a garantia de renda emergencial de, no mínimo, R$ 600 para trabalhadores informais, com comprovação de necessidade; subsídio de R$ 3 mil a R$ 10 mil para espaços culturais e artísticos que possibilitem uma programação cultural mensal destinada a alunos de escola pública ou em espaços públicos após a pandemia; e R$ 3,6 bilhões da União serão destinados aos estados, Distrito Federal e municípios para ações de apoio emergencial. A Lei Aldir Blanc, uma homenagem ao compositor que morreu vítima de Covid-19, segue agora para o Senado. @fernando.guerreiro61 @deputadoelmarnascimento @pauloazi @leurlomantojr @adolfovianaoficial @joaoromaneto @departhuroliveiramaia @jfeghali

Uma publicação compartilhada por Pablo Barrozo (@pablobarrozo) em

A secretária de Cultura do Estado, Arany Snatana, também comemorou a aprovação.

Ver essa foto no Instagram

Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc ????????????????????????????????

Uma publicação compartilhada por Arany Santana (@arany_santana) em

Critérios
Ainda de acordo com o projeto, a divisão dos R$ 3 bilhões obedecerá aos seguintes critérios:

  • 50% para os estados e o Distrito Federal, sendo 20% de acordo com os critérios de rateio do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e 80% proporcionalmente à população;
  • 50% aos municípios e ao Distrito Federal, sendo 20% de acordo com os critérios de rateio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e 80% de acordo com a população.
  • O repasse será em uma única parcela pela União e deverá ocorrer em até 15 dias após a publicação da lei.
  • O pagamento do benefício emergencial aos profissionais será concedido, retroativamente, desde 1º de junho deste ano.
  • O recebimento da renda emergencial será limitado a dois membros da mesma família.
  • A mulher que for mãe solteira e chefe de família terá direito a duas cotas da renda emergencial.
  • Caso o auxílio pago aos trabalhadores informais em geral venha ser prorrogado, o benefício destinado aos profissionais do setor cultural será estendido pelo mesmo período.

Quem tem direito?
Para ter direito ao auxílio emergencial, o profissional terá de comprovar:

  • atuação social ou profissional nas áreas artística e cultural nos 24 meses anteriores à lei. A comprovação poderá ser documental ou por autodeclaração;
  • não ter emprego formal ativo;
  • não ser titular de benefício previdenciário ou assistencial ou beneficiário do seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal, ressalvado o Bolsa Família;
  • ter renda familiar mensal per capita de até meio salário-mínimo ou ter renda familiar mensal total de até três salários mínimos, o que for maior;
  • inscrição e respectiva homologação em, pelo menos, um dos cadastros referentes a atividades culturais; e
  • não ser beneficiário do auxílio emergencial do governo pago aos trabalhadores informais.

Linhas de crédito
O projeto prevê ainda que bancos federais podem disponibilizar linhas de crédito e condições para renegociação de débitos a trabalhadores do setor cultural ou a micro e pequenas empresas.

As linhas de crédito serão destinadas a fomento de atividades e aquisição de equipamentos. O pagamento dos débitos só será feito a partir de 180 dias após o fim do estado de calamidade pública e deve ser feito mensalmente, em até 36 meses.

Para empregadores, tanto a linha de crédito como as condições para renegociação de dívidas serão concedidas diante do compromisso de manutenção do número de empregos observados no dia 20 de março de 2020.

Transmissões pela internet
O texto determina que, enquanto durar o estado de calamidade pública, os recursos de programas federais de apoio ao audiovisual e demais ações para a cultura devem priorizar o fomento de atividades que possam ser transmitidas pela internet ou disponibilizadas em redes sociais.

Ainda de acordo com o projeto, outra alternativa é adiantar os recursos mesmo que as atividades só possam ocorrer após o fim da calamidade.

Além disso, o projeto prorroga por um ano o prazo para aplicação de recursos em projetos culturais já aprovados e estabelecidos em algumas leis, como o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), o Plano Nacional de Cultura (PNC) e o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

Orçamento Se a lei for aprovada, serão usados recursos de dotações orçamentárias da União, do superávit do Fundo Nacional de Cultura do ano passado e de outras fontes.

O líder do governo na Câmara, deputado Vitor Hugo (PSL-GO), defendeu a aprovação do projeto e disse que conversou nesta terça-feira com o presidente Jair Bolsonaro e com o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos sobre o tema.

"A aprovação desse projeto dessa maneira, com quase todo painel [da Câmara] apoiando, é o reconhecimento por parte também do governo federal de que a cultura é algo importantíssimo para o Brasil", disse Vitor Hugo.

Ainda de acordo com o representante, houve um acordo na elaboração do texto para garantir a sanção presidencial ao projeto.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas